in

Alugando um barco em Exumas, nas Bahamas

- - Nenhum comentário
Mais um paraíso pra listinha
Um dos passeios mais legais das Exumas é o passeio por Elizabeth Harbour, uma espécie de baía que se forma entre Great Exuma e algumas ilhotas que ficam logo à sua frente.

Confesso que esse passeio foi um dos motivos que me fizeram escolher Exumas como destino de férias. A possibilidade de alugar um pequeno barco por conta própria, sem a necessidade de apresentar carteira de habilitação náutica, e fazer meu próprio roteiro naquele paraíso de mar azul caribenho me ganhou logo de cara.

Eu já havia feito algo parecido na Sardenha e amei. Quando soube que nas Exumas isso também era possível, não pensei duas vezes! Partiu Bahamas!

Então aqui nesse post vou passar todas as dicas e informações para você, amante de aventuras paradisíacas assim como eu, possa se encantar com a beleza deste lugar incrível!

Ah, só pra lembrar: os queridaços Lily e Júlio do blog Apaixonados por Viagens nos acompanharam nesse passeio e são meus modelos em algumas fotos! Love you guys! 💙

Como alugar o barco


A empresa que aluga os barquinhos é a Minn Water Sports, que fica localizada no centro de George Town e funciona todos os dias de 8:30 às 17h.

Os barcos disponíveis para aluguel são pequenos, de 15, 17, 19 e 20 pés. As duas primeiras opções são perfeitas para um casal. Para quatro pessoas, a primeira opção, de 15 pés, até dá mas pode ficar apertada e desconfortável. Nós alugamos o de 17 pés para quatro pessoas e ficou super de boa.

Tabela de preços da Minn Water Sports
O esquema deles é super bem organizado e chegando lá no balcão eles passam todas as informações necessárias sobre o barco, o passeio e a navegação na região. 

O barco é entregue com o tanque cheio e no final do passeio o  tanque é completado novamente, daí cobram apenas a diferença. No total o custo do nosso barco ficou assim:

- US$215 - o barco
- US$20 - seguro (opcional)
- US$200 - depósito, que pode ser feito em dinheiro ou cartão e é devolvido no final
-  US$14 - combustível

Esse é o meu barquinho e essa é a minha gangue! 😎
Pra quem viaja na alta temporada ou em épocas festivas / feriados convém reservar o barco com antecedência pois é comum eles se esgotarem rápido. No dia que eu fui, a primeira opção de 15 pés já estava toda alugada.

Preparativos para o passeio


Se tiver janela de tempo, escolha o dia com a melhor previsão do tempo. Isso quer dizer: com sol e sem vento. Em Elizabeth Harbour o mar costuma ser bem calmo mas em dias com vento a navegação costuma ser desconfortável. E vai por mim, passeio de barco com verto forte não é legal.

Mas não se preocupe, se o mar estiver agitado ou com qualquer outro evento climático de risco, a agência será a primeira a cancelar o aluguel de barcos.

O ideal é sair bem cedo para aproveitar o dia de passeio.

Recomendo ainda evitar fazer o passeio no domingo, dia que os moradores das Exumas resolvem passar o dia fazendo a mesma coisa e por isso as praias ficam mais movimentadas (não diria nem cheias). Eu fiz numa quarta-feira e foi super tranquilo.

Pra alugar o barco, o processo é bem simples. Eles pedem pra preencher um formulário com informações básicas, fazem os trâmites para pagamento, entregam um kit com rádio, extintor, mapa da área e só.

Esse mapa que eles entregam é bem ruinzinho, rs, mas é importante levá-lo com você, será bastante útil para se localizar.

Aproveite o momento do balcão da agência para fazer todas as perguntas possíveis: quais melhores paradas, por onde navegar, por onde não navegar (onde é raso e tem corais), qual horário da maré mais baixa, qual banco de areia eles recomendam. Digo isso porque por mais que eu passe todas as informações aqui no post, o mar muda, se movimenta e ninguém melhor do que o pessoal da agência pra passar as informações atuais e precisas.

Dirigir um barco não é difícil. Se você tem noção de direção, vai saber dar uma partida e conduzir o barco. As particularidades são mais relacionadas à ancoragem e outros pequenos detalhes que o funcionário da agência ensina na hora.

O que levar


Protetor solar reforçado e chapéu (boné, viseira etc). Os barcos possuem toldo mas não dê bobeira com o sol das Bahamas.

Vale a pena comprar uns comes e bebes pra passar o dia. A agência empresta um pequeno cooler para colocar bebidas e o gelo pode ser comprado com eles também. Mas pra quem não quiser levar muita coisa, tem uma ilha que possui restaurante (já vou falar dela).

Casaco leve, tipo quebra-vento. Em passeios de barco, no fim do dia, sempre tende a bater um ventinho mais frio.

Se tiver uma pequena caixa de som pra conectar um iPod, tá valendo também. Um sonzinho durante o passeio faz toda diferença.

Saindo pra passear


Depois de todas as providências tomadas, é hora de seguir pra marina pra pegar o barco. Lá, um funcionário da agência faz uma espécie de checki list do barco e dá as instruções necessárias pra sair com o barco. Tudo pronto, barco arrumado, passageiros acomodados, é hora de partir! Oba!

Elizabeth Harbour é uma área de águas abrigadas. O mar nessa região costuma ser bem calmo e a navegação bem tranquila. Por este motivo, a região é utilizada por muitos navegadores como ponto de ancoragem. Há muitos veleiros e outros barcos ancorados por ali.

Elizabeth Harbour e Lake Vitoria no detalhe
A emoção do passeio começa logo na saída da marina da Minn Water Sports, que fica dentro de uma espécie de lago, chamado de Lake Vitoria mas que na verdade é o mar represado e daí pra acessar o mar aberto é preciso passar por debaixo dessa ponte da foto, super estreitinha.

Aquele momento "com emoção" do passeio, rs
Aqui o segredo é ir bem devagar, controlando o leme pra não bater nas laterais da ponte. Parece tenso né? E se eu te contar que ainda é mão e contramão? Piorou! 😂 Mais um motivo pra ir devagar e observar se vem alguém na direção contrária, porque passa só um barco de cada vez. Com atenção e calma não tem erro!

Passado o sustinho da ponte, saímos em direção à Stocking Island, que é a maior ilha. Paramos numa praia conhecida como Star Fish Beach com a promessa de que encontraríamos estrelas-do-mar. A praia é linda, areia branquinha, mar cristalino e só tinha a gente! Um luxo só! Mas estrelas-do-mar eu não vi não...

Star Fish Beach
Gente, olha esse mar! 💙
Atrás das árvores da foto, fica o lado da ilha voltado para o mar aberto. Uma curta caminhada leva à Powder Beach, uma praia que, dependendo das condições, o mar é mais mexido. Eu não fui, mas quem quiser dar uma conferida, fica a dica.

Levantamos âncora e seguimos adiante, para a praia seguinte. Aqui as praias não tem o nome muito claro. A boa é ir sentindo o feeling e parando naquelas que você simpatizar mais.

A praia que escolhemos foi a do "Beacon Stone", que é um marco de concreto que fica no alto de um morro e auxilia a navegação local. O curioso daqui é uma espécie de laguna formada atrás da praia onde as pessoas "escrevem" frases e nomes com pedras.

Há uma trilha pra subir o morro do Beacon Stone. Eu não fui pois o tempo estava apertado para fazer tudo que queria fazer, mas tenho certeza que a vista lá do alto é incrível.

Beacon Stone Beach (acabei de inventar esse nome, rs)
Laguna
Uma praia dessas, bicho!
Mais à frente chegamos no Chat'n'Chill, um simpático bar de praia que serve de refúgio para os vários barcos ancorados ali na região e também para os moradores de Exumas aos domingos, quando rola um churrascão de porco (pig roasty).

Chat'n'Chill
No bar espere encontrar um cardápio simples, típico de bar de praia, muitas mesas, cadeiras para pic-nic e a maior atração de todas: simpáticas (e enormes) arraias que adoram dar carreira nos turistas desavisados 😂 Elas são pacíficas e fora alguns sustos, não fazem mal a ninguém!

Corre, lá vai ela! 😆
Ah, dica importante: não deixe de ir na praia atrás do restaurante. As águas são calmas e super claras e o mais legal, super protegida do vento.

Deixamos as arraias lindinhas para trás e seguimos em direção à pontinha final de Stocking Island, onde se forma um enorme banco de areia na maré baixa. Neste dia, a maré mais baixa estava acontecendo na parte da tarde.

A maré secando e os bancos de areia se formando
Se der sorte, poderá encontrar alguns sand dollars (que são aquelas conchinhas brancas). Eu não encontrei nenhum! Acho que por ser uma área mais visitada, quem chega mais cedo já catou todos os sand dollars disponíveis!

E a maré ia baixar ainda mais, então resolvemos ir até Man-O-War Cay, que possui um banco de areia enoooorme e que por ser o ponto mais distante de Elizabeth Harbour, fica super vazio! Pra ter uma ideia só tinha o nosso barco e mais um.

Já pensou um banco de areia lindão e só pra você? Então, isso é Bahamas! 

Um paraíso natural!
This is Bahamas!

Dicas Gerais


O passeio em Elizabeth Harbour na minha opinião é um dos pontos altos da viagem às Exumas.

Recomendo dar uma analisada no mapa da região antes de fazer o passeio pra ter uma noção melhor. Como eu disse antes, o mapa da agência não ajuda muito, rs. Segue o meu mapinha com as paradas que fiz.  


Organize-se pra sair cedo pro passeio. Eu saí por volta de 10h e achei que faltou um pouquinho de tempo.

Existem muitos pontos de snorkel na região. Se você tiver interesse, pergunte na Minn Water Sports que eles vão indicar os melhores.

Fique atento com a ancoragem do barco enquanto a maré estiver secando. Como a variação de maré é muito grande, ela desce muito rápido. Se ancorar no rasinho, em poucos minutos o rasinho pode secar e o barco encalhar!

Muito cuidado e atenção também com os pontos de corais sinalizados pela agência pra não bater a hélice do barco.

Se você não se sentir à vontade para pilotar o barco sozinho, consulte a Minn Water Sports pra saber se há pilotos disponíveis para contratação.


Para conferir mais fotos dessa trip no Instagram, clique aqui ou procure #reviajajabahamas.

**Data da viagem: março/2018


Leia mais sobre as Bahamas
Montando um roteiro de viagem para as Bahamas
Dicas de viagem para as Exumas
Passeio de barco pelas Exumas Cays
Nassau



in

Dicas de viagem para Praia do Sono, no Rio de Janeiro

- - Nenhum comentário
Um paraíso desses, bicho...
A Praia do Sono é uma praia super linda e super roots que fica no litoral sul do Rio de Janeiro, no trecho mais conhecido como Costa verde.

É uma comunidade caiçara ainda bem preservada, parece até que o tempo parou por ali. Na verdade a salvação da Praia do Sono é o acesso, que é feito somente por trilha ou por barco, o que garante ao lugar o sossego e paz que a gente tanto precisa de vez em quando né? Corra pra conhecer lugares assim enquanto eles ainda existirem!


A minha viagem

 

Estive na Praia do Sono em duas ocasiões. A primeira no mês de março, durante a baixa temporada e depois em um feriado de janeiro, em altíssima temporada.

Nas duas ocasiões eu passei somente o dia, fazendo um bate-volta à partir de Trindade. Na vez em que fui no feriadão, a praia estava mais movimentada, mas longe de ficar tumultuada, o que é perfeito pra curtir o lugar com a paz e sossego que ele merece.

Porém, já soube de amigos que foram em feriados e encontraram o lugar lotado, mega bagunçado, com música alta e um clima nada a ver com o paraíso.

Como chegar


A Praia do Sono fica no distrito de Laranjeiras, que pertence à Paraty. Pra chegar até lá, siga um pouco mais à frente na Rio-Santos, no sentido Trindade.

Ao chegar no alto da estradinha de Trindade, há uma bifurcação. À direita segue para Trindade, à esquerda segue para Laranjeiras. Pra chegar até a Praia do Sono há duas opções: a trilha e o barco.

Em Laranjeiras há uma comunidade local conhecida como Vila Oratório, que existe praticamente só pra dar suporte ao Condomínio Laranjeiras, que é de altíssimo padrão (um dos mais tops da América Latina, tá bom?).

Já tinha visto um condomínio com estacionamento de helicóptero?
Se você optar pelo barco, o embarque é feito dentro do condomínio. É preciso deixar o carro estacionado do lado de fora e pegar uma van do próprio condomínio que leva os passageiros da Praia do Sono até o píer. O trajeto de van é gratuito e leva uns cinco minutos. Já o barco é operado pelos moradores locais e custa R$30 por pessoa, o trecho. Até a Praia do Sono, o barco leva uns vinte minutos.

Já a trilha tem início no final do vilarejo. É só seguir a ruazinha principal até o fim e estacionar o carro. É uma trilha de nível fácil a médio pois é bem aberta, sinalizada e não apresenta muitas dificuldades. Num passo bom, sem correria, leva uns quarenta minutos pra ser percorrida e a recompensa é a vista do alto da praia quando se chega. Lindão de se ver.

Se você vai com pouco volume, minha recomendação é ir pela trilha e voltar de barco. Pra mim, é a opção perfeita. Já quem vai acampar e tá levando aquele monte de tralha, se o orçamento permitir, é melhor optar pelo barco mesmo.

Se optar por levar o seu cachorro (eu já fiz isso) é bom saber que o condomínio só permite levar animais de estimação em caixa de transporte. Eu fui pela trilha e quando quis voltar de barco é que fiquei sabendo dessa regra. Já era fim de tarde e fiquei com receio de pegar a trilha de volta. A única solução foi pegar o barco e descer antes do píer do condomínio, numa praia chamada de Praia da Fazenda, que fica dentro do condomínio também. Nessa praia tem uma trilha de acesso ao vilarejo. O barqueiro falou que era tranquilo, "pertinho" da vila. O problema é que esse "pertinho" é uma escadaria enorme e super íngreme que dá uma canseira boa. Então é bom ficar ligado nisso aí.

Minha filhota fazendo trilha

Melhor época para visitar a Praia do Sono


O clima da região em que a Praia do Sono está localizada, a Costa Verde, é meio complicado. Por ser formada por muitas montanhas e matas próximo do mar, costuma chover bastante na região. Por isso é sempre bom estar de olho na previsão do tempo pois lugar de praia com chuva é baixo astral.
O verão, apesar de ser a época mais quente é também a mais chuvosa. Geralmente ocorrem pancadas de chuva no final do dia. Os meses de inverno são os menos chuvosos, porém faz um pouquinho de frio, especialmente à noite.

O ideal é procurar as meias estações e como eu disse, ficar sempre de olho na previsão do tempo. Na Costa verde não tem muito jeito, é contar com a sorte mesmo!

Onde se hospedar na Praia do Sono

 

A Praia do Sono é um lugar bem roots. A estrutura do lugar é muito simples e no quesito hospedagem as opções são restritas a alguns campings, casas e chalés para aluguel. E tudo é administrado pelos moradores locais. 

Se você viaja na baixa temporada e pretende pernoitar por lá, pode chegar sem nada reservado e desenrolar com os proprietários na hora. Se for na alta temporada ou ainda em feriadões, é bom reservar com antecedência, pois a praia costuma ficar mais cheia. 

Nesse site aqui você pode encontrar o contato dos moradores que alugam casas/chalés na Praia do Sono.

Pra quem só pretende passar o dia, pode pesquisar hospedagens em outras cidades da região como Trindade e Paraty.

https://www.booking.com/searchresults.html?city=900048513&aid=1256661&no_rooms=1&group_adults=1

A Praia do Sono

 

A Praia do Sono fica localizada numa área de proteção ambiental, praticamente isolada da civilização. É cercada de montanhas e da mata atlântica. É um visual muito lindo de se ver e o melhor, de se desfrutar de tanta exuberância.

A vila é bem simples e a diversão aqui fica por conta mesmo de curtir a praia, um banho de rio, fazer uma trilha para as praias vizinhas e quem sabe, curtir uma música ao vivo nos barzinhos à noite (quando tem).

Vou postar umas fotos do lugar pra vocês terem uma noção pois uma imagem vale mais que mil palavras né?

Um breve manual de instruções
Comunidade local
As casas são muito simples
Os campings ficam na beira da praia
Aqui o sossego impera
E quem resiste não tirar uma soneca nessa sombra?
No final da praia, do lado esquerdo, tem um rio que desemboca no mar. Mais um dos lindos visuais da Praia do Sono.

É nesse cantinho também que começa a trilha para as próximas praias: Antigos e Antiguinhos.

Riozinho no final da praia
Numa primeira vista, a trilha para Antigos e Antiguinhos pode assustar! É uma subida e descida, estilo pirambeira, que dá uma canseira boa, mas que só pela vista do alto da Praia do Sono já vale. E o que tem do outro lado do morro também vale o sacrifício. São duas praias lindas e completamente desabitadas.

Olha a pirambeira!
Antigos
Antiguinhos
Continuando a trilha depois de Antigos e Antiguinhos, a próxima praia é a de Ponta Negra, que é praticamente uma comunidade caiçara perdida no tempo. Um lugar muito simples, habitado pelos pescadores locais.

Para chegar até lá são umas 3 horas de caminhada, considerando a saída a partir da Praia do Sono. Eu fiz a trilha e não gostei. Na real, eu tenho uma certa fobia de trilha - não me perguntem o porquê! E essa é muito longa, com a sinalização muito precária. Por muito pouco eu não me perdi e aí deu bad total. Mas pra quem fica mais à vontade com esse tipo de aventura, vai gostar pois ela passa por rios, vai beirando o costão em alguns trechos e tem uns visuais muito bonitos.

Ponta Negra vista do alto
Prainha caiçara
Uma outra opção para chegar até as praias vizinhas da Praia do Sono é o barco. Basta combinar o preço com os barqueiros da praia. No caso de Ponta Negra, super recomendo. 

Dicas Gerais


Sei que estou sendo repetitiva mas nunca é demais avisar. A Praia do Sono é um lugar bem roots. É destino pra quem curte a natureza e quer fugir da civilização.

O esquema pra comer aqui são os pequenos restaurantes e pensões da beira da praia, onde são servidos pratos simples, principalmente aquele nosso amado PF. Abuse dos frutos do mar, que ali são bem fresquinhos.

O sinal de celular não é dos melhores, mas funciona de vez em quando.

A vila possui eletricidade, mas pra quem for pernoitar, uma lanterna facilita a vida.

Leve itens de uso pessoal como remédios, protetor solar, repelentes etc.

in

Como é voar na Bahamas Air

- - Nenhum comentário


E lá vamos nós voar em uma companhia aérea da qual eu nunca tinha ouvido falar: Bahamas Air!

A Bahamas Air é a companhia aérea nacional das Bahamas. A empresa opera voos domésticos e alguns poucos internacionais para Cuba (Havana) e Estados Unidos (Florida), Jamaica (Kingston) e Turks and Caicos.

Voei de Bahamas Air entre George Town, em Great Exumas para Nassau. Foi um voo curto, de 40 minutos.

A compra


A minha passagem foi adquirida através de um plano de milhas corporativo, cuja plataforma tem integração com o site da Expedia. Desta forma, não tenho como avaliar a compra da passagem em si.

Utilizei o site da Bahamas Air apenas para conferir a passagem e achei bem tranquilo, com fácil navegação.

No valor da tarifa que eu comprei estava incluída uma bagagem despachada.

Check in


No auge da maresia bahamense, nem me atentei em fazer o check in antecipado, deixei pra resolver tudo no aeroporto, no dia do embarque.

O aeroporto de Exumas é bem pequeno, o guichê é mínimo. Mas os procedimentos foram feitos rapidamente sem nenhuma complicação.

Aproveite para tentar escolher um lugar de janela afastado da asa. Os voos sobre as Bahamas são super fotogênicos.

Não perca essa vista por nada!

O Voo


O voo é rápido, leva 40 minutos. O avião é um turbo hélice, mas diferente do busão da Silver Airways, o da Bahamas Air era super novo e silencioso. A viagem foi bem tranquila.

O voo atrasou muito pouco, uns dez minutos só. Não tem serviço de bordo.

Conclusão

Voar com a Bahamas Air foi bem simples e tranquilo, como todo voo deveria ser. Nenhuma intercorrência, sem frescura. Enfim, entregou o prometido. 

Porém soube de uma amiga que fez dois voos com eles e nos dois atrasou demais. Então é bom ficar de olho nisso aí.

No mais, recomendo a Bahamas Air sem ressalvas.
in

Como é voar na Silver Airways

- - Nenhum comentário
Silver Airways
Hoje vim avaliar a minha experiência de voo com a Silver Airways.

Até começar a planejar a minha viagem para Jamaica e Bahamas eu nunca tinha ouvido falar nessa companhia aérea! Ela surgiu como uma alternativa no transfer entre ilhas do Caribe via Estados Unidos, já que não havia uma ligação direta entre Montego Bay e Exumas nas Bahamas.

E assim foi o meu trajeto com a Silver Airways: Fort Lauderdale - George Town (Exumas).

A empresa, que tem sede em Fort Lauderdale, opera para outros destinos na Florida e no Caribe. Costuma ter precinhos camaradas e só tem avião turbo-hélice (meeedo).

Compra da Passagem


A minha passagem foi adquirida através de um plano de milhas corporativo, cuja plataforma tem integração com o site da Expedia. Desta forma, não tenho como avaliar a compra da passagem em si.

Porém a passagem foi emitida pela United Airlines, destacando que o voo era operado pela Silver. Toda a operação da passagem, como consulta, confirmação, marcação de assento etc, foi feita pelo site da United. 

No valor da tarifa que eu comprei não estava incluída a bagagem despachada, que custa US25.

Check in


Como precisaria despachar mala e pagar, deixei pra fazer o check in no próprio aeroporto. Chegando lá, até me impressionei com o movimento da fila de check in, tinha um montão de gente voando com a Silver também.

O processo foi bem simples, o que demorou mais foi a checagem de saída das Bahamas. Como eu não retornaria aos Estados Unidos, de lá seguiria para o Panamá, a atendente ficou um pouco confusa sem saber ao certo que informações lançar no sistema. Mas logo veio outro funcionário para auxiliar e o processo andou mais rápido.

O pagamento da taxa da mala só pode ser feito em cartão de crédito.

O voo


Preciso confessar que quando vi o avião, tremi na base. Um turbo-hélice velhão e assustador me esperava para o embarque.

Olha o busão chegando aí minha gente
O interior do avião era bem pequeno, apertado e para nossa surpresa (ou não) um dos nossos assentos estava solto, tipo banco do busão!😂😂. O que fazer quando você já está dentro de um avião desses é rir da própria situação né?

O voo, que teve 1:30h de duração, foi pontual e saiu/chegou na hora marcada. O avião, que é super barulhento, faz um voo baixo, o que é bem legal para ver as Bahamas do alto. Aliás, lembre-se de pedir no check in um assento longe da asa. O meu era meio asa, meio vista livre.

Mentira, era super barulhento!
Havia apenas uma comissária no voo, que não era nem um pouco simpática e foi servido apenas um copo d'água.

Conclusão


Apesar do avião ser meio assustador, tive uma experiência positiva com a Silver Airwyay. Portanto se tivesse que voltar a voar com eles iria sem nenhum problema.