texto aqui Sobre a Autora E-mail Enviar Nome E-mail Mensagem Sobre mim página ##1## de ##2## Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Renata Maia

[name=Renata Maia] [img=https://imagensbrasil.org/images/2020/08/24/roteiro-jamaica-eu.jpg] [description=Compartilho aqui dicas e experiências sobre as viagens que faço mundo à fora. Apaixonada por destinos de praia, acredito que luxo mesmo é passar o dia de havaianas! Sejam bem-vindos à minha viagem! =)] (facebook=https://www.facebook.com/Renata-Viaja-312202229164679/) (instagram=https://www.instagram.com/renataviaja_/) (pinterest=https://br.pinterest.com/renataviaja/)



4/bigslider1/Topo

404

Desculpe, está página não existe
Home

5/carousel3/Trips Epeciais

3/block2/Indonésia

9/carousel1/Hawai

Últimos Posts

Dicas de viagem para Galinhos, no Rio Grande do Norte

4
Paraísos perdidos no tempo e espaço

Uma dúvida me acompanhou durante toda a minha viagem ao Rio Grande do Norte: valia a pena dar uma esticada até Galinhos ou não?

O propósito dessa minha viagem ao RN, além de conhecer novos lugares, também era de relaxar pois minha última viagem, neste mesmo ano, havia sido muito cansativa. Dessa vez queria fazer algo tranquilo, sem correrias.

E Galinhos estava lá, linda, convidativa mas a 160km de Natal, numa missão um pouco complicada: duas horas pra ir, mais duas pra voltar, uma travessia de barco e a iminência de mais uma correria. Por isso fiquei na dúvida. Mas com o passar dos dias na viagem, vendo fotos e conversando com a galera local, me convenci de que não poderia deixar de ir à Galinhos. E lá fomos nós..

Galinhos é uma pequena cidade escondida numa península de dunas, rodeada por um braço de mar, de águas calmas e azuis, chamado por aqui de Rio Aratuá. 

Lugar pacato, de vida mansa e tranquila, belas praias e o turismo bem tímido, começando a decolar. Pra quem gosta de lugares simples, Galinhos é um paraíso.

Como chegar em Galinhos


Galinhos fica no litoral norte do estado do Rio Grande do Norte. Fica a 160km de distância da capital Natal.

Natal - Galinhos

Saindo da capital de carro, o caminho é pela BR-406 que funciona em pista única e tem trânsito intenso de caminhões. É preciso dirigir com atenção e ter cuidado com os buracos.

Em Galinhos não entra carro comum, apenas os 4x4 e buggys vindos da praia conseguem chegar na cidade. Nesse caso, é necessário deixar o carro estacionado em Pratagil e atravessar de barco até a vila. O estacionamento é gratuito e seguro (mas não deixe nada à mostra dentro do carro, nunca é bom em lugar nenhum). A travessia custa R$2,50/passageiro.

Estacionamento de Pratagil

Pra quem não está de carro, muitas agências de turismo vendem o passeio bate-volta à Galinhos partindo de Natal. Pode ser um pouco cansativo, mas é viável. A vantagem do passeio é não precisar dirigir por duas horas na volta, quando se está cansado de um dia inteiro de praia.

Outra opção é pegar um ônibus de linha normal com a empresa Expresso Cabral. Pra um bate-volta, já não recomendo essa opção.

Melhor época para visitar Galinhos


O "inverno" de Galinhos e do resto do Rio Grande do Norte costuma chegar entre março e julho, quando chove bastante na região. Entre agosto e janeiro é mais garantido passar dias de muito sol e calor.
Eu fui no mês de setembro e a promessa foi cumprida: dias de muito sol e calor. Algumas vezes o tempo até ameaçava fechar e parecia que ia cair uma chuva daquelas. Daí passavam 15 minutos e o céu abria de novo. Até peguei uma chuvinha no dia que cheguei que durou 5 minutos.

Galinhos, assim como toda cidade de veraneio, pode ficar mais cheia nas férias e feriadões, por isso se a sua intenção é curtir o lugar com tranquilidade, evite essas datas.

Minha aventura pra chegar em Galinhos


Eu resolvi fazer um bate-volta à Galinhos saindo de São Miguel do Gostoso. Olhando para o mapa, pode parecer que é mais perto, mas na prática é um pouco mais complicado.

Consultando o (santo) Google Maps, vi que existiam duas opções de caminho a partir de Gostoso. A mais segura é a mais longa, pegando a BR-406 na altura da cidade de João Câmara e seguindo pelo mesmo caminho de quem vem de Natal. A distância é quase a mesma: 140km

O outro caminho, apontado pelo Google Maps mostra uma distância de 95km, seguindo por estradas regionais. Foi esse caminho que eu fiz e posso te dizer com conhecimento de causa: só vá se você tiver um espírito muito aventureiro.


Caminho alternativo, mas não indicado

O primeiro trecho, de 30km pela RN-022 é de terra mas foi terraplanado recentemente, então sem chuvas a condição da estrada estava muito boa. Em Parazinho (primeiro marcador vermelho), é preciso pegar a RN-120 e rodar mais 30km. Esse trecho é asfaltado e está em boas condições. Antes de chegar em São Bento do Norte (segundo marcador vermelho), é preciso acessar a RN-221 e é aí que mora o problema.

Eu nem sei como isto pode se chamar estrada regional, pois parece aquelas estradas de fazenda. É de terra, muitas vezes misturada a um areal (sem risco de atolar), bem estreita e só dá pra passar um carro de vez (também, quem mais passaria por ali?). Não há quaisquer construções, nada, só mato seco. Ninguém pra te dar uma informação e se o carro quebrar senta e chora: nada de ajuda, nem sinal de celular. Passa por dentro de uma fazenda (que mais parecia fazenda fantasma) e depois por um parque eólico que foi quando vi pessoas 😳. Daí em diante a estrada se alarga e fica menos pior. Mas possui muitas bifurcações sem nenhuma sinalização. No fim, levei 2 horas pra percorrer os 95km.

Concluindo: pela precariedade da estrada, o tempo gasto e o risco de acontecer um imprevisto não compensa. Melhor pegar o caminho mais longo que é bem mais seguro e no final gasta-se o mesmo tempo.

Onde se hospedar em Galinhos


Como disse anteriormente, eu fui pra Galinhos e voltei no mesmo dia. Chegando lá, me arrependi muito da minha decisão pois achei que caberia perfeitamente passar uns dois dias por lá.

Primeiro motivo: a distância e o tempo gasto pra chegar lá deixa o dia corrido e o passeio um pouco cansativo. O outro motivo é a beleza e a atmosfera tranquila do lugar. É um convite irresistível de curtir o dia até o final com toda a tranquilidade do mundo, sem pressa de sair correndo e pegar a estrada novamente. Paraísos assim merecem ser apreciados com muita calma, afinal, nunca se sabe quando vamos voltar.

Galinhos, apesar de rústica, conta com algumas opções de hospedagem. Tive a oportunidade de almoçar na pousada Bresil Aventure que fica na beira da praia principal, a localização é muito interessante mas não posso avaliar a estadia.

Para consultar outras opções de hospedagem em Galinhos, pesquise no Booking. Mas lembre-se sempre de ficar atento às avaliações. 😉

O passeio de um dia em Galinhos


Depois da missão "chegar em Galinhos", é hora fazer a travessia de barco e enfim chegar à vila. A chegada em si já é uma atração: a combinação da vegetação do mangue com as águas claras do rio/mar é de tirar o fôlego.

Galinhos, aí vou eu!

Já no cais é possível observar como é curiosa a movimentação de entrada/saída da vila e da população que mora em uma cidade isolada. Dentro dos barcos leva-se de tudo: adultos e crianças, comida, bebida, animais... Me senti na novela Tieta desembarcando do barco do Seu Pirica em Mangue Seco 😂  

A chegada em Galinhos

No desembarque em Galinhos, alguns meninos oferecem aos turistas "transfer" de carroça até a praia. Carroças não, charretes! Elas são bem engraçadas, super arrumadas, estilizadas e é uma boa forma de fazer um contato inicial com o pessoal local. Quem preferir pode ir caminhando, pra observar a pequena vila em detalhes. A caminhada do cais até a praia leva uns 10 minutos.

A vila é uma gracinha, mistura ruas de terras com umas poucas já de paralelepípedo. Alguns restaurantes e pousadas, pequenos comércios e a escola. É engraçado que os moradores ainda olham para os turistas com certa curiosidade.

Visitei Galinhos numa sexta-feira, ainda dia de pouco movimento. Durante todo o dia, passaram uns 5 buggys com turistas, umas cinco pessoas caminhando pela praia e meia dúzia de charretes levando os turistas até o farol, ou seja, sossego total.

A praia é bem extensa e no dia que eu fui haviam apenas dois restaurantes abertos na beira da praia. 

Praia de Galinhos

A única companhia durante boa parte do dia

Lá pelas tantas resolvi me movimentar um pouco e fui caminhando até o farol. A caminhada é bem agradável mas é um pouco longa (uns 30/40 min), pra quem tem pouco tempo ou disposição, lembre-se da opção da charrete, é uma boa.

Tá vendo o farol lá longe, bem pequenininho?

Não chegava nunca!

O farol é um lugar ótimo pra tirar boas fotos. Aqui também rola um pôr do sol super top, um dos mais bonitos do Rio Grande do Norte. Eu não tive esse privilégio pois saí de Galinhos antes de escurecer, com medo da estrada (foi nessa hora que me arrependi de não passado a noite aqui 😔).

Passando o farol, há um trecho da praia onde formam-se diversas piscinas naturais na maré baixa e é completamente isolado. A paz e o sossego reinam absolutos.

Lugar lindo demais!

Depois das piscinas, caminhando mais uns 10 minutos dei a "volta" na ponta de Galinhos e cheguei na Barra do Rio Aratuá, onde o "rio" encontra com o mar. Lá o visual também é lindo, com várias bancos de areia e a vegetação de mangue na outra margem.

No fim da tarde a caminhada de volta à vila foi com o vento na direção contrária (nesse momento eu contrataria aquelas charretes fácil). Deu uma canseira boa.. Já na vila, resolvi almoçar no restaurante da pousada Bresil Aventure. Comida boa, preço honesto e redes de frente pro mar super convidativas.

É assim que se termina um dia perfeito!

Com o fim do dia, hora de deixar o paraíso. Peguei o barco de volta numa tristeza só, mas com a certeza de que um dia voltarei à esse paraíso.

Passeio de barco em Galinhos


Uma boa pedida de passeio em Galinhos é conhecer a região através de passeios de barcos que podem facilmente ser contratados no cais, onde o carro fica estacionado.

No passeio, que segue braço de mar a dentro, é possível conhecer as Dunas de Sal, que na verdade são os montes de sal formados pela empresa salineira que atua na região, as Dunas do Capim, onde é possível encontrar lagoas de águas tão salgadas que é difícil de afundar, uma parada pra almoço na vila de Galos e por fim a visita à Galinhos.

Eu preferi não fazer o passeio pois achei que ficaria um dia muito corrido e como disse no início do post, eu queria mesmo era relaxar. Por isso me contentei  em curtir a beleza e a tranquilidade de Galinhos.

Quem foi e fez um relato muito legal desse passeio foi o Ricardo Freire do Viaje na Viagem.

Dicas Gerais


Galinhos é essencialmente uma vila de pescadores, sua estrutura turística ainda é muito precária, então esteja preparado pra conhecer um lugar de natureza roots. Nada de sofisticação.

Em Galinhos não há agências bancárias e quase nenhum lugar aceita cartão, portanto leve dinheiro em espécie.

A eletricidade é 220v, leve carregadores bivolt.

O sinal de telefone celular costuma ser precário na região. As melhores operadoras são a Vivo e Claro.

Não há água encanada em Galinhos, a água vem de poços artesianos e por ser uma vila no meio das dunas, essa água é salobra. Isso significa, entre outros cuidados, escovar os dentes com água e mineral e para as meninas, cuidado com os cabelos!


4 comentários:

  1. Fiz essa viagem em 2011. Alugamos um carro em Natal e saímos com as mochilas no carro para ir conhecendo todas as praias. Nos baseamos em um folder de empresa de turismo que apontava um trajeto de praias de Natal até Galinhos. Não tínhamos ideia de que existia Galinhos, mas resolvemos fazer todo esse trajeto do folder por conta. O folder apontava um caminho fácil de São Bento do Norte até galinhos. Quando chegamos em São Bento do Norte, perguntei qual era o caminho para Galinhos. Indicou o caminho e perguntou com qual carro eu estava. Respondi um gol. O senhor deu risada e disse que só passava 4x4. Disse que precisava voltar e dar uma volta de 200 km para chegar lá.
    Já retornando o caminho, parei em uma loja de materiais de construção para perguntar se era isso mesmo. Então, um senhor indicou a estrada de terra de 40 km até o estacionamento para os barcos. Disse que tinha 2 bifurcações e indicou a direção. Pensamos um pouco... Dar uma volta de 200 km ou rodar esses 40 km? É claro que pegamos a de 40 km... Quanto as bifurcações, não eram 2... Passamos por muitas e nem sei como acertamos o caminho... Só mato seco, cactos, puro sertão... Passamos por uns casebres, mas nem víamos gente para perguntar. Foi muito tenso... Memorizei todas as bifurcações que passei, se fosse o caso de retornar. Até que passamos por uma vilinha e fiquei mais tranquilo. Na época, o google maps não indicava esse caminho. Então, sem GPS.
    Essa aventura marcou a minha vida. Quanto a praia, a mais bonita que já estive no Brasil.
    E para voltar, é claro que peguei a rodovia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fabio,

      Que relato! A gente se mete em cada furada por aí né?! Sorte que o santo protetor dos viajantes está sempre do nosso lado.

      Pra ir à Galinhos, a dica final é essa mesmo por enquanto: vá pela BR!

      =)

      Excluir
  2. Nossaaa. Eu acabei de chegar aqui em Galinhos. Vim de São Miguel e peguei a mesma estrada assustadora!!!!
    Estou em choque até agora! Pois vim sozinha, com um gol 1.0 estava quase anoitecendo e aquela estrada não tinha fim...
    Fora que no caminho vi um rapaz com uma espingarda...
    Deus é maravilhoso e me protegeu! Mas não indico esse caminho de jeito nenhum. Kkkkkkkkk agora agente ri!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcela!

      Estou chocada com seu relato! Que medooo! Vc foi muito corajosa de encarar essa estrada sozinha!
      Se eu visse um cara armado acho que eu já morria antes de qq coisa, kkk

      Graças a Deus deu tudo certo no final! Pelo visto passam anos e essa estrada continua pavorosa!

      Bjos e boa viagem!
      =)

      Excluir