California

Roadtrip pela Califa Ler mais »

Noronha

O destino de praia mais incrível do Brasil Ler mais »

Bike The Bay

Atravessando a Golden Gate de bike! Ler mais »

Hawaii

Rolézinho por Oahu e Maui Ler mais »

Passeio de Barco em Cala Gonone


Meu dia de iate no mediterrâneo.. #sqn

Nesse post vou falar sobre o passeio mais incrível que passei na Sardenha: um dia de barco pelo Golfo di Orosei.

O Golfo di Orosei é uma cadeia de montanhas ao longo da costa oeste central da Sardenha. O visual das montanhas brancas ao lado do mar por si só já é lindíssimo. Agora acrescente a esse visual um mar incrivelmente azul, com várias tonalidades diferentes e pequenas enseadas paradisíacas.. Acredite, a região é isso mesmo que você verá nas fotos a seguir.

Além das belezas naturais, a região guarda ainda uma outra surpresa. Na Itália, para pilotar barcos pequenos com motor de até 40hp, não é necessário possuir licença marítima. Ou seja, qualquer um, com um mínimo de senso de direção, pode alugar um barco pra pilotar sozinho. Daí a oferta de aluguel desses pequenos botes, em média com 5 metros de comprimento, é enorme em toda a Sardenha. Em Cala Gonone então é o carro-chefe dos passeios.

Como os meus leitores já sabem, eu e o maridão adoramos nos aventurar em nossas trips mundo a fora. Então quando soube dessa possibilidade, alucinei! Além de estar conhecendo um lugar dos sonhos, eu ainda pilotaria um barco sozinha! Mas pra quem não curte uma aventura deste tipo e prefere algo mais conservador, fique tranquilo. Cala Gonone tem opções de passeio pra todo tipo de viajante.

Como chegar

Para fazer o passeio de barco pelo Golfo di Orosei, pode-se usar como base as duas cidades mais próximas: Cala Gonone e Arbatax.

Eu sugiro montar base em Cala Gonone, pois a cidade é uma graça de lugar, super aconchegante, além de ficar mais próxima do Golfo. Já Arbatax é uma cidade um pouquinho maior, com maior estrutura.

Eu me hospedei em Cala Gonone por três noite e por isso vou contar minha experiência com o passeio a partir desta cidade.

Como contratar

Existem diversas operadoras e tipos de embarcações que fazem o passeio a partir de Cala Gonone. Pra contratar é muito fácil, por toda a cidade e, principalmente na marina, há quiosques e lojinhas que oferecem os passeios.

Não vou mencionar valores e horários de saída pois estas informações estão diretamente ligadas com a época do ano em que for visitar a região. Na baixa temporada o preço e a oferta de passeios é menor. Já na alta temporada, é o contrario: preços e quantidade de saídas são bem maiores. Seguem as principais opções de passeios disponíveis:

- Barcos grandes que promovem excursões em grupos maiores, em média 40 pessoas. O preço é o maior atrativo desta opção, o que eu não gosto é a alta concentração de pessoas por metro quadrado. Ainda tem mais uma desvantagem: como o barco é muito grande, ele não ancora em todas praias. As praias menores e mais charmosas, ele faz apenas parada pra foto.

Estilo CVC

Mas o barcão aí da foto tem lá suas vantagens. Em dias de mar agitado esse é o único passeio que consegue sair da marina. Além disso oferece um pouco mais de conforto do que as outras embarcações, como banheiros e áreas cobertas.

- Lanchas de tamanho médio com condutor. Nesse tipo de passeio a embarcação usada é do tipo bote inflável, com até 8 metros de comprimento que cabem em média 10/12 passageiros. Essa opção é parecida com a anterior, só que numa versão mais reduzida de pessoas e com a possibilidade de parada em todas as praias.

Bote família

O preço também é um grande atrativo desta opção de passeio pois o custo é dividido entre os passageiros. Considere que barcos menores balançam bem mais que os grandes, além de ser mais fácil tomar um chuveirada fora de hora.

- Lancha pequena sem condutor. Sim, você faz o seu passeio, no seu horário e para onde quiser. Sem falar na emoção de pilotar um barco naquele visual incrível. As lanchas disponíveis para aluguel são do tipo bote inflável, em média com 5 metros de comprimento e com motor de até 40hp.

Esse passeio é ideal para um casal, no máximo dois, senão o barco fica apertado. Para pesquisar mais informações, em italiano procure por "noleggio gommoni senza patente". Os italianos estão bastante acostumados a pilotar essas pequenas embarcações, então essa é uma das opções mais contratadas na região. Eu, que nunca havia pilotado um barco antes, achei muito tranquilo e não tive qualquer dificuldade em sair pilotando.

Pra mim é, sem dúvida, a melhor opção de passeio.

 O meu iate!

- Lancha pequena com condutor (em italiano: gommoni con conduzente). Nessa opção de passeio é utilizado o mesmo bote inflável que mencionei acima, de aproximadamente 5 metros de comprimento e motor de até 40hp.

Por incrível que pareça, essa não é uma opção muito fácil de contratar, pois como a maioria das pessoas pilota o seu barco por conta própria, não tem muitos condutores de aluguel à disposição. Por isso é recomendável reservar esse tipo de passeio com antecedência.

Seguem os contatos das principais agências de passeio de Cala Gonone:

Cielomar
Palmasera Boat Rental
Azurra
Excursioni Cala Gonone
Dolmen

Depois de trocar email com várias agências, acabei contratando meu gommoni com a Dolmen. Eles foram super atenciosos durante a troca de emails e me deram várias dicas sobre o tipo de barco a escolher, além de oferecerem o melhor preço também. Durante a locação tudo correu bem, por isso super recomendo esta agência.

Preparativos para o passeio

Daqui em diante, as dicas práticas serão sobre o passeio que fiz: o aluguel de lancha de 5 metros, motor de 40hp e sem condutor (gommoni senza patente).

Se tiver janela de tempo, escolha o dia com a melhor previsão do tempo. Isso quer dizer: com sol e sem vento. Durante a primavera e verão o mar costuma ser bem calmo na região mas em dias com vento forte a navegação costuma ser desconfortável. Mas não se preocupe, se o mar estiver agitado ou com qualquer outro risco, as agências nem alugam os barcos.

 Parece uma pintura!

Se estiver hospedado em Cala Gonone, no dia anterior dê uma passada na marina pra deixar o passeio meio agilizado. Já saber em qual operadora vai contratar, o que eles oferecem, o que é preciso levar.. tudo isso faz você ganhar um pouco mais de tempo no dia.

O ideal é sair bem cedo para aproveitar o passeio. Geralmente as agências marcam as saídas a partir das 08h com retorno às 17h. Eu particularmente achei muito cedo e programei minha saída para 09:30h. Deu pra aproveitar o dia inteiro e super bem.

Pra alugar o barco, o processo é bem simples. Eles me pediram o passaporte pra preencher um formulário com informações básicas, um caução de 100€ para o caso de acontecer alguma avaria na embarcação e só. Mas isso pode variar de acordo com a agência, tem algumas por exemplo, que retém o passaporte e não cobram caução. Vai depender.

A agência cobra o aluguel do barco + gasolina. O barco é entregue com o tanque cheio e no final do passeio eles completam o tanque novamente, daí cobram apenas a diferença. Só pra ter um base, o valor do aluguel, na baixa temporada, em junho/2016, custava a partir de 80€ e espere gastar em torno de 30€ de combustível.

Recomendo ainda evitar fazer o passeio nos finais de semana pois a região fica muito cheia. Eu fiz numa sexta-feira e foi super tranquilo. Já no sábado, fiquei sabendo que todos os barcos da marina haviam sido alugados! E eu visitei a região no início de junho, imagina na alta temporada..

O que levar


Protetor solar reforçado e chapéu (boné, viseira etc). Alguns barcos possuem toldo e outros não, por isso não vale a pena arriscar.

A agência costuma emprestar um pequeno cooler pra colocar bebidas. Eles dizem que o cooler já vem com gelo, mas na verdade eles usam aquelas bags de gel congelado que não duram nem uma hora debaixo do sol forte. Por isso não vá confiando no "gelo" deles. Passe no mercado Europa (atrás da igreja) que vende embalagens pequenas de gelo, na medida certa pro cooler.

Aproveite também para comprar comes e bebes pra passar o dia.

Casaco leve, tipo quebra-vento. Passeios de barco no fim do dia sempre tendem a bater um ventinho mais frio.

Se tiver uma pequena caixa de som pra conectar um iPod, tá valendo também. Um sonzinho durante o passeio faz toda diferença.

No momento da locação, a agência costuma fornecer um mapa com os principais pontos de parada. Leve este mapa com você, são tantas pequenas praias que é muito fácil confundi-las. E não esqueça de levar o telefone da agência, para acioná-los em caso de emergência.

E começa a partida..

Depois das providências administrativas, é hora de pegar o barco. O funcionário da agência te apresenta as funções básicas do barco como acelerar, dar ré, levantar o motor, como ancorar, parar na praia etc, e te entrega o barco ali na hora mesmo. Sem cerimônia.

Nosso barco chegando com o instrutor

Saindo de Cala Gonone o roteiro básico é dar uma esticada até Cala Goloritzè, que é o ponto mais distante e dá uns 40 minutos de navegação em linha reta. Daí em diante é ir margeando a costa no sentido de volta à Cala Gonone e ir parando nas várias praias e inúmeros pontos de azul incrivelmente surreais, conforme mostra o mapa abaixo.


Eu fiz exatamente esse roteiro, só que duas vezes! Kkkk. É que eu estava tão ansiosa pra ver tudo, que dei uma acelerada nas paradas porque tinha uma nuvem grande se aproximando, arriscando nublar o céu, e eu queria muito ver a Cala Luna com sol.

Cheguei em Cala Luna por volta das 14h e depois de curtir um pouco a praia, a tal nuvem foi embora e o sol voltou. Como ainda estava cedo, resolvi voltar até Cala Goloritzé e ver tudo de novo. Foi a melhor coisa que fiz pois pude ver as mesmas praias em horários e tons de azul diferentes. Muito bacana! Gastei o dobro da gasolina, mas valeu cada centavo!

Bem, vamos voltar ao roteiro original (o de pessoas normais, rs..). A primeira parada é em Cala Goloritzè, uma praia espetacular com formações rochosas muito diferentes. Como essa praia é uma reserva natural, não é possível parar o barco na areia, só é permitido ancorar a 300 metros de distância. No local, existe uma boia avisando sobre o limite.

Chegando em Goloritzé

Essa praia também é acessada a pé através de uma trilha, com duração média de 2 horas. Quem tiver disposição e tempo, é uma boa pedida. Esteja apenas preparado com o kit sobrevivência (comes e bebes) pois não há qualquer comércio na praia.


Vista de outro ângulo

No dia que estive lá ainda pude avistar uma galera fazendo escalada nesse cone de pedra, que se chama Punta Caroddi. Muito doido!

Galera na disposição

Depois de curtir um tempo em Cala Golotizè é hora de subir a ancora e seguir a rota. Daí em diante pode ser que eu me confunda nos nomes das praias.. Era tanta praia surreal e eu estava tão eufórica, que perdi a conta do nome de todas (rs). Ato falho, eu sei.. mas foi mais forte que eu! Talvez vendo as fotos vocês me entendam!

Bem, seguindo adiante muitas são as praias e lugares com mar azul inacreditável. Recomendo parar em todos os lugares que tiver vontade! Em algumas praias é permitido ancorar na areia e outras não. Mas isso é fácil saber porque as proibidas possuem boias limitando o acesso dos barcos.

Cala Della Sorgenti

Cala Gabbiani

Ixi, essa eu esqueci o nome.. Mas foca no azul!!

Esse é o estilo do passeio!

 Cala Mariolu

Cala Biriola

Como já disse em posts anteriores, a água do mar é gelada sim. Nem vou fantasiar dizendo que não é, porque é. Pelo menos em junho é bastante gelada, tipo praia no Rio. Mas como o calor é forte, dá pra dar um mergulho rápido pra refrescar. Ficar boiando na água é só para os fortes! Kkkk!

Pra não ficar chato e monótono, vou dizer que encontrei uma praia "menos bonita" na região, é essa da foto abaixo, a Cala Sisine. Bem extensa, com areia escura e mar não tão claro nesse trecho.

Cala Sisine

Hora de voltarmos à normalidade e continuar com as praias de perder o fôlego. A última parada do circuito é na verdade, um dos maiores motivos de ter escolhido a Sardenha como destino. Quando vi fotos da Cala Luna, pensei: "Tenho que conhecer este lugar". Por isso minha ansiedade era tão grande pra chegar logo nela.

A praia é bem extensa e possui várias cavernas enormes. Porém alguns trechos das cavernas só são acessíveis a pé na maré baixa, senão o jeito é ir atracando em vários pontos diferentes.

Cala Luna e suas cavernas vistas do mar 

Mais de perto

De dentro da caverna!

De boa, curtindo Cala Luna

Também dá pra acessar Cala Luna a pé, através de uma trilha bem longa, no mesmo esquema de Cala Goloritzè.

Seguindo adiante na Cala Luna, antes de chegar na Grotte del Bue Marino, tem um trecho que não vi nome no mapa mas que na minha opinião é um dos mais lindos. Não tem praia, apenas algumas cavernas, mas o mar é tão claro que não resisti e ancorei nesse trecho. E por incrível que pareça, não tinha mais ninguém! Essa enorme piscina foi só minha por alguns longos minutos


Trecho inominável

Meu e só meu!

Um outro lugar bacana pra se conhecer são as grutas que a região possui. As mais famosas e abertas para visitação ao público são Grotta del Fico e Grotte del Bue Marino. Eu não cheguei a visitá-las pois estava mais na vibe de curtir praias, mas pra quem quiser curtir algo diferente, fica a dica. Ambas tem a entrada paga.

Entrada da Bue Marino

Bem, depois de um dia tão incrível com tudo dando tão certo é chegada a hora de devolver o barco. O esquema é se aproximar da marina e ficar esperando o funcionário da agência entrar no barco e levá-lo até o posto de combustível. Só que todo mundo devolve o barco no mesmo horário, às 17h, então rola uma certa confusão e espera.

Estacionamento dos barcos

Por isso, não precisa ser tão pontual na entrega do barco. Pode chegar umas 17:30h pra evitar entrar nessa fila de devolução e com isso ainda ganhar mais um tempinho aproveitando esse paraíso.

Com todo esse relato acho que não preciso nem recomendar né? Estando na Sardenha, o passeio de barco pelo Golfo di Orosei é parada obrigatória!

Outros posts da viagem à Sardenha

Montando o roteiro para Sardenha
Alghero
Cala Gonone
San Teodoro (em breve)
Costa Esmeralda (em breve)
Arquipélago La Maddalena (em breve)
Passeio de barco em Maddalena (em breve)


** Data da viagem: junho/2016
more »

Cala Gonone

Bem vindos à Cala Gonone!

Cala Gonone é uma pequena cidade situada na costa leste da Sardenha. Essa cidadezinha tão desconhecida por nós brasileiros, esconde uma das joias mais incríveis do Mediterrâneo: o Golfo di Orosei.

Quando se fala em Sardenha, todo mundo pensa logo na Costa Esmeralda com suas lindas praias e o esquema luxuoso de Porto Cervo. Porém esquecem que a ilha, por ser enorme, possui vários cantinhos lindos e especiais. E assim é Cala Gonone: uma pequena cidade super charmosa, com um povo encantador e praias de deixar qualquer viajante experiente de queixo caído!

Além disso, por possuir uma posição geográfica centralizada, Cala Gonone é um ótimo ponto de partida para explorar outros lugares bacanas na ilha e que não estão tão evidentes no mapa turístico da Sardenha.

Vou parar de enrolação e ir direto ao ponto! Rumo à Cala Gonone!

A minha viagem

Programei montar base em Cala Gonone por 3 dias. O primeiro dia, só pude aproveitar a parte da tarde, pois a manhã foi de missões (viagem e check in no apartamento). Os outros dois dias seriam livres pra explorar a região.


My trip map

Reservei dois dias da viagem em Cala Gonone pois meu interesse principal era fazer o passeio de barco pelo Golfo di Orosei e queria ter uma janela, caso o tempo não ajudasse.

Até que dei sorte com as condições climáticas. Com exceção do dia da chegada, que peguei meio nublado, o segundo dia já amanheceu com o maior sol e aproveitei logo pra fazer o passeio de barco. No terceiro dia, fui conhecer a região de San Teodoro, que fica a 84 km de Cala Gonone.

Como chegar

Cala Gonone fica numa região bem central da Sardenha e por isso um pouco afastada dos principais aeroportos da ilha: 130 km de Olbia, 200 km de Alghero, 225 km de Cagliari. Como já havia dito em outros posts, a melhor opção pra conhecer a Sardenha é estar de carro.


Eu saí de Alghero, numa viagem incrível de 2:30h cortando o interior da ilha. Durante o percurso encontrei visuais lindos: montanhas, pequenas propriedades agrícolas, cidadezinhas charmosas, torres medievais.. nossa, tinha muita coisa pra ver durante o percurso. Mesmo com a tentação de fazer algumas paradas, consegui manter o foco e segui direto até o meu objetivo.

Pra quem vem de carro a partir do continente, o porto mais próximo da Cala Gonone é o da cidade de Arbatax.

Quando ir

A Sardenha possui invernos amenos (mas ainda assim frios para o nosso padrão) e verões super quentes.

Acredito que o maior interesse em ir para a Sardenha seja pra curtir as praias, logo o ideal é visitar a ilha nos meses de temperaturas mais altas, entre junho e setembro. Há quem aproveite o início e o fim do calor nos meses de maio e outubro.

Eu fui no mês de junho e peguei apenas um dia nublado. De resto muito sol e calor! À noite, a temperatura caía um pouco e rolava até de colocar um casaquinho leve.

Hospedagem

Nessa minha trip pela Sardenha optei por alugar apartamentos com cozinha compacta. Este é um tipo de hospedagem muito comum na região, tanto que no próprio Booking encontrei diversas opções.

O bom de Cala Gonone é que a cidade é bem pequena, por isso não há como ter muita dúvida em que região se hospedar. A cidade possui um centrinho em volta do pequeno porto e regiões mais residenciais na parte alta da cidade. Eu preferi ficar na região do centro pela conveniência de estar próxima dos restaurantes, mercados, lojinhas etc.

Optei pelo apartamento Monocali a Cala Gonone. A propriedade fica no mesmo terreno da casa de sua proprietária, a Lina, que é um amor de pessoa. Ela não fala muito bem o inglês, mas fez todo o esforço pra se comunicar e ajudar no que fosse preciso durante a minha estadia.

O apê é super bem equipado, não falta nada! Limpo, organizado e bem localizado. O wifi funcionou perfeitamente bem. Não tinha vaga de garagem mas não fez a menor falta pois era possível estacionar o carro na porta de "casa".

Transporte

Pra transitar entre as cidades da Sardenha, um carro é indispensável. Pra chegar e sair de Cala Gonone, sem dúvida é melhor estar motorizado. Porém, enquanto estive por lá, só usei o carro no dia que fui visitar a região de San Teodoro.

A cidade é bem pequena, então é possível fazer tudo a pé. Como o meu interesse principal era fazer o passeio de barco, o carro foi quase "dispensável" durante a estadia.

A cidade

O que me levou a querer passar uns dias em Cala Gonone foi a proximidade com o Golfo di Orosei. Essa região possui uma cadeia de montanhas muito altas que se juntam ao mar. A erosão das rochas dessas montanhas formou várias pequenas enseadas, que em sua maioria são acessadas apenas por barco.

A cidade e suas montanhas

Daí ao ver as fotos dessas pequenas praias com um mar azul inacreditável, eu pirei! Eu precisava ver aquilo de perto.
Acredite, essa foto é real!

Eu meu surpreendi demais com Cala Gonone. Achei a cidade uma graça! Pequena e super charmosa, possui uma rua à beira mar com vários restaurantes, barzinhos e sorveterias (huum, gelato italiano!). Era uma delícia passear por ali no fim do dia.

Calçadão de Cala Gonone

 Bares e restaurantes super charmosos

Parada oficial pra tomar gelato 

E o calçadão continua até a praia

Praias

Apesar de pequena, a cidade possui uma longa faixa litorânea com algumas praias bem simpáticas. Não estão naquele padrão de azul do Golfo di Orosei, mas ainda assim são uma ótima pedida pra aquele dia em que você não estiver a fim de pegar o carro e quiser curtir algo sossegado perto do hotel.

A água do mar é gelada sim. Nem vou fantasiar dizendo que não é, porque é. Pelo menos em junho é bastante gelada, tipo praia no Rio. Mas como o calor é forte, dá pra dar um mergulho rápido pra refrescar. Ficar boiando na água é só para os fortes! Kkkk! 

 Spiaggia Centrale

Spiaggia Palmasera

Spiaggia di Sos Dorroles

Duas outras praias que não fui mas que eu super recomendo são Cala Fuili e Spiaggia di Ziu Martine. As vi apenas de longe, quando estava no barco e garanto que são lindas. Dá pra acessar de carro ou a pé (uns 30 minutos de caminhada).

Havia programado também conhecer outras praias da região no dia da chegada em Cala Gonone mas como peguei o dia meio nublado, acabei ficando pela cidade mesmo. Mas pra quem tiver mais sorte do que eu, recomendo visitar Cartoe, Osalla, Liberotto, Curcurica e Berchida.

Passeio de barco pelo Golfo di Orosei

A proximidade com o Golfo di Orosei é sem dúvida o maior atrativo da região. A oferta de passeios é grande e tem pra todos os gostos e bolsos. O que eu achei ultra bacana, é que na Sardenha é possível alugar pequenos barcos com motor de 40hp sem a necessidade de licença. É chegar, alugar e se divertir!

O passeio é tão incrível e eu tenho tanta informação pra compartilhar, que escrevi um post exclusivo. Por enquanto seguem algumas fotos só pra dar uma ideia do que eu estou falando.


Cala Goloritzè

Cala Luna

Um lugar qualquer..

Detalhe: nenhuma das fotos acima tem tratamento.. A cor do mar é essa mesma!

San Teodoro

No terceiro dia, um sábado, resolvi conhecer a região de San Teodoro, que fica a 84 km da Cala Gonone. Tá, eu sei que não é tão pertinho assim, mas da próxima cidade que eu montaria base, já na Costa Esmeralda, a distância seria quase a mesma, por isso decidi encarar logo o desafio, já que San Teodoro era parada obrigatória no meu roteiro!

De Cala Gonone até lá levei 1h de viagem. A região tem praias lindíssimas, por esse motivo valeu o sacrifício.

Pra não misturar as estações e poder postar bastante fotos, escrevi um post só pra San Teodoro aqui.

Outras atrações (que eu não visitei)

Cala Gonone é tão perfeitinha, que ainda conta com um aquário, onde é possível conhecer um pouco da fauna marinha da região. Ótima pedida pra quem viaja com crianças. Eu não fui, mas quem quiser maiores informações, segue aqui.

A região também é conhecida por possuir diversas grutas. A mais famosa é Grotte Del Bue Marino. O acesso é feito de barco, com saídas a partir da marina da cidade. Dá pra combinar com o passeio pelo Golfo di Orosei também, pois fica no mesmo caminho.

 Entrada da gruta

Foto da net, super produzida, do interior da caverna

Eu não fui mesmo mais por falta de tempo, porque ela me pareceu uma atração super interessante. A gruta entra um quilômetro por dentro da pedra e possui passarelas para que a visitação seja feita com segurança. A entrada custa 8 euros.

Outros lugares da região

O bom da Europa nessa época é que o sol vai até as 21h, então dá pra aproveitar beeem um dia de praia. Depois que saí da região de San Teodoro, resolvi fazer o caminho de volta até Cala Gonone mais próximo do litoral e então pude ainda conhecer mais algumas praias. Algumas legais, outras nem tanto.

Passei por uns povoados bem bonitinhos também, como La Caletta, que tinha um centrinho bem animado, com vários restaurantes, barzinhos e pessoas passeando pelas ruas.

De praia, achei a Capo Comino a mais bonita do trecho. É o estilo de praia que eu curto, sem nenhuma interferência humana! Pra chegar nela é preciso passar por dentro de uma área de mata com pouquíssimas construções e deixar o carro estacionado próximo à praia. O estacionamento é gratuito.


Capo Comino

Águas super claras

A praia é bem extensa, por isso é quase impossível rolar lotação. Não possui nenhuma estrutura, tipo quiosque, sombra etc. Tem que ir preparado. Mas lugares sossegados com a água cristalina é a tal recompensa que buscamos né?

Dicas Gerais

Apesar de não ter encontrado mosquitos, esteja preparado. No mercado da cidade era o produto em destaque logo na entrada, muito suspeito!

O mercado e as farmácias da cidade são bem pequenos e possuem apenas itens básicos. Caso você faça uso ou precise de alguma coisa mais específica (remédio, alimento etc) é melhor levar.

O comércio faz siesta entre 13:30h e 16:30h. Não adianta insistir, a cidade inteira fecha nesse horário.

A dona do apartamento onde me hospedei me indicou três restaurantes onde não ir de jeito nenhum! São eles: Snoopy, Aquarius e Tre Ruote. Segundo ela a comida é ruim e o preço é alto. Eu segui a orientação e repasso aos meus leitores! Rs.

Outros posts da viagem à Sardenha

Montando o roteiro para Sardenha
Alghero
Passeio de barco em Cala Gonone
San Teodoro (em breve)
Costa Esmeralda (em breve)
Arquipélago La Maddalena (em breve)
Passeio de barco em Maddalena (em breve)


** Data da viagem: junho/2016

more »

Meridiana


Voando com a locais

A Meridiana é uma companhia aérea pouco conhecida por nós brasileiros. É um companhia low cost italiana que opera trechos internos e alguns internacionais, inclusive tem rota até aqui pro Brasil. Sua principal base de operação é no aeroporto de Olbia, na Sardenha.

Utilizei a Meridiana para voar o trecho interno Olbia - Roma, de onde partiria meu voo de retorno ao Brasil.

Compra da Passagem

A compra da passagem foi mais ou menos tranquila. Após inserir os dados do cartão de crédito, o sistema deu uma mensagem de erro. Fiquei receosa sem saber se a compra havia sido processada ou não. Esperei alguns minutos, conferi meu cartão e vi que estava tudo ok. Foram mais duas ou três tentativas até que o sistema deles conseguisse processar a operação até o final. Pelo menos, não houve cobrança duplicada no cartão.

For isso, o site é até tranquilo. Só não tem versão em português, tive que me virar no inglês mesmo. Depois que emiti os bilhetes consegui entrar na reserva e marcar os assentos sem custo adicional.

Apesar de ser uma companhia low cost, as passagens tinham direito a despachar uma mala de até 23kg cada uma, além da bagagem de mão.

Check in

Tentei fazer o check in antecipado pelo site um dia antes e no próprio dia do voo e não sei o que houve que o sistema não reconhecia meu número de reserva de jeito nenhum! Eu já comecei a ficar tensa né..

No dia do voo, no meio da manhã, comecei a receber emails da Meridiana com alteração no horário do voo. Por um lado respirei aliviada pois em algum lugar do sistema deles eu estava naquele voo! O horário que eu havia comprado era o de 16:55h. A primeira remarcação antecipou o voo para 14:40h. Já não gostei muito por que eu ia perder tempo precioso de Sardenha pra ficar sentada no aeroporto de Roma. Pois bem..

Depois recebi outro email remarcando o mesmo voo para 15:45h, ou seja, uma zona só.. Menos pior que no fim das contas eles só anteciparam o voo, então o meu maior prejuízo seria esperar em banco de aeroporto. Mas deu pra perceber que pontualidade não é o forte deles..

Ao chegar no aeroporto o check in foi feito sem problemas. Estávamos em duas pessoas e só tínhamos uma mala pra despachar, só que com 26kg! Até que a agente do aeroporto foi gente boa e liberou a mala sem cobrança adicional. Mas nos fez o alerta de que o certo seriam 23kg! Ok, fica pra próxima!

O voo

Com um atraso de 25 minutos, o voo partiu de Olbia em direção à Roma. O avião, velhinho que só, leva 35 minutos até a capital.

Foram servidos nesse voo rápido apenas bebidas. Também só dava tempo pra isso mesmo. 

Mesmo com atraso a chegada foi pontual, no horário inicialmente previsto (vai ver que o atraso já faz parte da conta).

Conclusão

Apesar das confusões de horários e incertezas do check in, correu tudo bem. Então voaria com a Meridiana novamente, porém de olho bem aberto em relação aos horários deles.


more »

Alitalia


Volare ô ô..

E dando sequências às avaliações de companhias aéreas, nesse post vou falar sobre a Alitalia. Esta que é a maior empresa aérea da Itália, tem como principal base de operação o aeroporto Fiumicino, em Roma.

Utilizei a Alitalia na minha última viagem à Europa, em duas ocasiões diferentes. A primeira quando me desloquei de Amsterdam para Alghero na Sardenha com conexão em Roma (voo doméstico) e depois Roma - Rio (voo internacional). Então vamos às experiências..

Compra da Passagem

- Doméstico

O voo interno (AMS - AHO) comprei com bastante antecedência e consegui resgatar pelo Smiles por 12.500 milhas. O que não gostei nem um pouco é que o sistema da Alitalia não fala muito bem com o do Smiles e por isso eu não podia consultar minha passagem pelo site da Alitalia, apenas pelo telefone.

Através do Call Center, que aliás foi bem solícito, consegui confirmar os bilhetes e marcar meus assentos. Consegui pegar aqueles lugares da saída de emergência sem custo adicional. Tá, legal.. Mas não pude fazer check in antecipado, só no aeroporto mesmo. A única coisa que eu tinha para comprovar essas passagens era o número da reserva Alitalia (que era diferente do número fornecido pelo Smiles) anotado num papel. Tenso! Achei essa falta de conexão entre os dois sistemas uma falha gravíssima!

- Internacional

Como havia dito no post de avaliação da KLM, as passagens foram compradas pelo site da Air France. Estranho não é? Mas no site deles é que foi possível combinar voos diretos das duas companhias aéreas (Rio/Amsterdam - KLM e Roma/Rio - Alitalia). Então, mais uma vez, não tive como avaliar a compra de passagens através do site da própria Alitalia.

Check in

- Doméstico

Pra fazer o check in em Schiphol, rolou aquela tensão né, afinal eu só tinha uma sequência de letras e números que alguém me disse que equivaliam a duas passagens. Mas até que deu tudo certo, apresentei os passaportes e rapidamente o check in foi realizado.

- Internacional

Já no voo internacional, pude fazer o check in antecipado sem problemas. O site da Air France direcionou a reserva direto pro site da Alitalia e foi bem tranquilo realizar os procedimentos de check in.

O voo

- Doméstico

Os voos foram bem tranquilos, normais como todo voo deveria ser. Entre Amsterdam e Roma serviram sanduíche e bebidas não alcoólicas. Já entre Roma e Alghero, um voo super curto, foram servidos apenas um aperitivo (biscoito) e bebidas.

- Internacional

Neste outro voo, já tive uma outra experiência. Primeiro achei o embarque na aeronave muito confuso pois os passageiros podiam entrar tanto pela porta da frente, como a detrás sem nenhuma organização. Daí tinha gente sentada na frente da aeronave entrando por trás e o contrário também. Com isso, em alguns momentos houve uma certa confusão nos corredores e não vi ninguém da Alitalia tomando nenhuma providência. Foi tipo um "vocês que se entendam". 

Junto a essa confusão rolava uma música institucional altíssima (volare ô ô, cantare oooÔ - kkkk)! Aí mistura gente falando alto, confusão, música alta.. Nossa, cansei já nos primeiros 30 minutos de avião! Mas vamos seguir em frente!

O kit classe econômica tava lá me esperando: fone, almofada e manta. O avião, meio velhão, tinha um sistema de entretenimento daqueles antigos, com controle remoto. Eu nem animei de ligar, virei pro lado e fui dormir! 

O voo saiu de Roma com meia hora de atraso mas o piloto foi sagaz e conseguiu até antecipar a chegada no Rio em 20 minutos.

O serviço de bordo foi iniciado logo após a estabilização da aeronave. Houve uma certa desorganização na distribuição das refeições que fez com que um lado da aeronave recebesse o jantar bem depois do outro. Aliás o jantar, era bem sem graça. Típica comida de avião que em 5 minutos fica borrachuda. Além da pegadinha.. Me perguntaram: Pasta ou carne? Respondi, depois de 12 dias de Itália só comendo massa: Carne! Chegou até dar água na boca! Quando abri o prato, surpresa! Era frango :/

Durante a noite nada foi servido, nem água. De manhã serviram o café, que também foi muito fraco. Um pão frio e super duro, com alguns frios, frutas e iogurte. Nem animei.

Outras informações

O voo doméstico, com saída de Amsterdam para Roma atrasou muito por causa das condições climáticas daquele dia. Por causa disso, perdi minha conexão em Roma. Dentro da área de embarque em Schiphol só há funcionários da KLM, que me avisaram que quando eu chegasse em Roma receberia informações da Alitalia.

Chegando em Roma, na saída da aeronave já havia uma funcionária da Alitalia nos aguardando com os novos bilhetes remarcados para o segundo voo e voucher para alimentação no aeroporto. Não precisei me preocupar com nada! Essa proatividade deles achei super bacana. Ponto positivo pra Alitalia!

Conclusão

Achei o serviço da Alitalia bem razoável. Não é assim nenhuma Brastemp, mas até que dá pro gasto. Voaria novamente.


more »

Alghero



Alghero

Alghero é uma pequena cidade na costa oeste da Sardenha, com ares de cidade medieval. Sua origem é catalã e pela proximidade com a costa espanhola, ainda sofre forte influência de seus hermanos, tendo inclusive um dialeto catalão como língua oficial.

Foi lá que montei a minha primeira base para conhecer a Sardenha. A facilidade de possuir um aeroporto e a proximidade com algumas das atrações que queria conhecer, foi fator determinante para que eu escolhesse a cidade

De fato, Alghero é uma cidade bem simpática. Com um clima gostoso, pessoas simpáticas e prestativas, passei dias super agradáveis por lá. Já sabia que lá não seria o destino das praias mais tops da ilha mas sou daquelas que precisam de mais de um estímulo visual durante a viagem.. Se eu ficasse os 12 dias da viagem só vendo praias perfeitas de azul mediterrâneo surreal, certamente no final ficaria entediada. Em Alghero, além de parias bonitas, existem outras opções de passeio interessantes.

A minha viagem

Em Alghero estavam programados 3 dias. O primeiro dia, o da chegada que estava prevista para acontecer até às 17h, seria um dia de missões (pegar carro, fazer check in no hotel etc) e os outros dois dias seriam livres. No quarto dia eu partiria cedo em direção à próxima cidade.

Minha ideia principal em montar base em Alghero era a proximidade com a praia La Pelosa, que é uma das praias mais tops da ilha e fica em Stintino, a 40 minutos de carro. Com isso utilizaria um dia pra conhecer essa praia e o outro dia ficaria livre para conhecer outras atrações da região.


My trip map

Só que nem tudo são flores na vida de um viajante.. Minha chegada em Alghero foi sofrida! Meu voo de saída de Amsterdam atrasou muito por causa de uma forte neblina, com isso perdi a conexão em Roma, que saía às 16:15h. Quando finalmente consegui chegar em Roma, o próximo voo para Alghero saía só às 21h. Passei o dia inteiro sentada em banco de aeroporto! 

No final das contas até que foi um super adianto ter escolhido Alghero como a primeira cidade-base, pois com essa história de perder a conexão, só consegui sair do aeroporto às 23h. Eu estava exausta e ainda bem que o hotel ficava a 10 minutos de carro.. Imagina se ainda tivesse que dirigir horas até alguma outra cidade? Morria..

No dia seguinte da chegada, que estava programado pra ir direto à La Pelosa, eu acordei tão cansada das missões do dia anterior, que saí de casa tarde e deixei pra ir a tal praia famosa no dia seguinte. E daí vem o segundo imprevisto na viagem: a chuva! O terceiro dia amanheceu super fechado e até choveu! Juro, me deu até uma bad trip, achando que estava dando tudo errado na viagem (quem nunca?). Nossa, como me arrependi da preguiça do dia anterior. Mas a vida é assim.. feita de erros e acertos!

Como chegar

Alghero possui um aeroporto pequeno, mas que recebe voos de várias cidades europeias. Como disse acima, eu saí de Amsterdam e fiz conexão em Roma pela Alitalia.


Portos e aeroportos

O aeroporto fica bem próximo da cidade, então pra quem vai se hospedar por lá mesmo, o deslocamento aeroporto-hotel é bem simples (táxi, transfer, carro alugado etc).

Pra quem está de carro pelo continente é possível chegar até a ilha de ferry. O porto mais próximo de Alghero fica na cidade de Porto Torres, a uma hora de carro. As empresas que operam nesse porto são a Grimaldi Lines, Snav, Corsica Feries e a GNV.

Quando ir

A Sardenha possui invernos amenos (mas ainda assim frios para o nosso padrão) e verões super quentes.

Acredito que o maior interesse em ir para a Sardenha seja pra curtir as praias, logo o ideal é visitar a ilha nos meses de temperaturas mais altas, entre junho e setembro. Há quem aproveite o início e o fim do calor nos meses de maio e outubro.

Eu fui no mês de junho e peguei apenas um dia nublado. De resto muito sol e calor! À noite, a temperatura caía um pouco e rolava até de colocar um casaquinho leve.

Hospedagem

Nessa minha trip pela Sardenha optei por alugar apartamentos com cozinha compacta. Este é um tipo de hospedagem muito comum na região, tanto que no próprio Booking encontrei diversas opções.

Eu tinha basicamente duas regiões para escolher: próximo ao centro antigo de Alghero ou um pouquinho mais afastado do centro, numa região conhecida como La Pietraia. Confesso que a palavra "centro" nas minhas férias causa um certo pânico, por isso não estava muito simpática à essa região. A segunda opção me pareceu boa, pois nem era tão afastada do centro assim (uns 15 minutos de caminhada resolviam a situação) e o bairro era bem simpático pois tinha vários restaurantes, barzinhos etc. 

Estando lá, gostei muito da minha escolha. O bairro é basicamente turístico mesmo: vários hotéis, condomínios com apartamentos para alugar, restaurantes, bares, sorveterias, calçadão na beira da praia pra passear, ou seja, só lazer! Já o centro não era tão ruim quanto eu tinha pensado e é também uma boa opção de hospedagem. Tem lá o seu charme..

O apartamento que escolhi fica no condomínio Residence Picalè. O condomínio é super bem localizado, na rua da praia e com comércio próximo. Conta com uma boa estrutura com piscina, quadra de esportes, sala de jogos e recepção 24h que fala inglês (um luxo por essas bandas!). O apartamento em si é bem simples, com alguns prós e contras. Estava limpo e tinha um chuveiro ótimo. Não tinha vaga de garagem mas isso nem chegou a ser problema pois era bem fácil conseguir vaga na rua.

Não gostei de alguns pontos. Não tinha ventilador e o ar condicionado era pago à parte (45€/semana ou 10€/dia) e no início de junho já fazia certo calor. A cozinha deixou um pouco a desejar pois não possuía forno nem microondas e tinha poucos utensílios à disposição. O wifi funcionou bem durante a noite e de dia a conexão era bem fraquinha. Mas no geral a avaliação do apê foi boa, recomendo.

Um outro probleminha que encontrei, e aí não é culpa do hotel, foram os mosquitos! Muitos.. A primeira noite foi sofrida. No dia seguinte tive que correr ao mercado pra comprar algo que matasse os mosquitos. Daí em diante foi tranquilo.

Transporte

A melhor maneira pra conhecer a região é de carro, sem dúvida. Acredito que possa até existir alguma opção de transporte público, mas rodando por lá não cruzei com nenhum.

É possível alugar um carro no aeroporto ou mesmo na cidade, há bastante opção. Recomendo reservar com antecedência, principalmente pra quem vai visitar a ilha nos meses de julho e agosto. Pra rodar pela região, um GPS é indispensável, eu utilizei o Waze no celular e deu super certo.

Pra estacionar achei bem tranquilo, apenas no centro de Alghero tive dificuldade pra achar vaga. Aliás, lá o esquema de vagas é o seguinte: pintadas de branco ou amarelo são gratuitas. Pintadas de azul são pagas por hora, procure o parquímetro mais próximo, pague e coloque o recibo à vista no painel do carro. O pagamento pode ser feito em moedas ou cartão. Depende da "tecnologia" da máquina.

Mas lembrem-se de um detalhe: visitei à ilha em junho, ainda na baixa temporada. Na alta temporada a coisa toda pode mudar..

Pra quem vai sem carro ou não sabe dirigir, vi ônibus de turismo em alguns lugares. Talvez existam agências locais que promovam passeios pela região. 

A cidade

A cidade de Alghero é um mix do passado com os tempos atuais. Suas construções antigas mostram um pouco da história da ilha e sua influência dos mais diversos povos que a invadiram ao longo dos anos. O centrinho antigo é cheio de vielas estreitas, com diversos bares, restaurantes e lojinhas. Uma maravilha pra se perder!

Artesanato na frente da igreja

Mas também há em Alghero a parte mais moderna, com construções mais novas, bons hotéis, uma marina cheia de iates top de linha. Enfim, gostei de Alghero justamente por causa desta mistura. A cidade sabe manter o seu charme!

Mas o meu maior interesse na região de Alghero era conhecer a tão falada praia de La Pelosa. Pelo que havia pesquisado, não tinha achado as outras praias da região tão interessantes (naquele padrão mediterrâneo de ser..). Mas encontrei outras coisas interessantes pra conhecer, como a rota panorâmica entre Alghero e Bosa, a região de Capo Caccia e outras praias na região.

Praias de Alghero

Não sei qual é a origem da palavra "Alghero", mas a minha piada interna era o sentido literal: algueiro = cheio de algas! Kkkk.. Não sei se dei azar ou se é assim mesmo, mas as praias da região estavam tomadas por algas, com isso a água não ficava com o tom de azul mediterrâneo que eu estava buscando. Além disso, a areia é um pouco escura, então as praias não causaram aquele encantamento.

São elas: Maria Pia, Bombarde, Lazzareto, Mugoni.

Rota Panorâmica até Bosa

No primeiro dia livre que tinha em Alghero, estava super cansada de ter passado o dia anterior em aeroportos, missões e estresses. Confesso que bateu uma certa preguiça e acabei saindo de "casa" um pouco mais tarde. Com isso, achei melhor deixar La Pelosa pro dia seguinte e peguei a estrada rumo à Bosa.

O dia estava lindo com sol e céu limpo. A estrada é linda mesmo, coisa de filme! O desenho da estrada e os visuais me lembraram muito a Pacific Coast na Califórnia, só que numa proporção menor de "uaus" já que a estrada possui apenas 46 km.

Tem ponte com prainha embaixo e mar azul

Curvas e penhascos com lindos visuais

 Tem até fog! É quase uma Pacific Coast..

Durante o percurso, muitos mirantes mas poucas praias. O que o pessoal curte por lá é encontrar umas entocas e se esconder por entre as pedras, curtindo assim um cantinho sossegado e particular no mediterrâneo.

Cantinhos escondidos

Encontrei com muitas motos fazendo esse percurso. Realmente a estrada é um prato cheio pra quem curte (visual + curvas). Mas só tinha moto espetacular, daquelas BMWs enormes, vindas de todos os cantos da Europa pra passear pela estrada.

Sem contar os mirantes, fiz três paradas em todo percurso. A primeira numa prainha escondida chamada Compiltu. Pra chegar até ela é preciso deixar o carro no estacionamento da estrada e fazer uma pequena trilha, de uns 15 minutos. Não deixe nada de valor à mostra dentro do carro, vi muitos cacos de vidro no chão do estacionamento, sinal de que tem "rato" na área.

Compiltu escondidinha lá embaixo..

Pelas fotos que vi na internet antes de ir, ela parecia mais bonitinha, mas quando cheguei lá o mar estava com um pouco de alga, então ela não estava tão interessante como deve ser de verdade. Mas ainda assim, fiquei por ali curtindo um pouco do meu primeiro contato com o mediterrâneo.

A segunda parada foi na marina de Bosa, por que eu cismei de ir numa tal piscina natural que tinha visto no Google Maps chamada Cane Malu. Depois de algumas tentativas frustradas, não encontrei nada e resolvi desistir. Nem cheguei a entrar em Bosa, a vi de longe e voltei para a estrada pra continuar o passeio.

Bosa e seu castelo vistos de longe

Comecei então o percurso de volta, que é exatamente o mesmo da ida. Aproveitei pra parar em alguns lugares que tinha achado bacana na ida, mas que quando se está dirigindo numa estrada nem sempre é possível fazer uma parada repentina porque vem carro atrás e a gente não quer causar nenhum acidente, né?

Um desses lugares foi a simpática praia de Poglina. A praia é extensa e com mar cristalino. O estacionamento é amplo e gratuito e possui um restaurante na beira, mas no dia que eu fui estava fechado.

Poglina
 
Na hora que cheguei lá, a posição do sol não dava aquele efeito no mar de azul do mediterrâneo, mas as águas claras deixavam o visual bem interessante.

La Pelosa

Essa foi uma das maiores expectativas e a maior decepção da minha viagem à Sardenha. Calma, a praia é exatamente linda como eu havia visto nas fotos. O problema é que no dia que eu fui pra lá o tempo fechou geral! Nossa, foi muito triste!

Mas vida de viajante é assim mesmo. Tem que contar com o fator sorte e nem sempre ele vem..

De Alghero até lá são 40 minutos de carro. E eu confesso que fui até lá torcendo pra que o tempo estivesse melhor naquela região da ilha (a esperança é a última que morre!).

La Pelosa.. com chuva!

O estacionamento na rua da praia é pago e o valor varia de 1,50€ a 2€ por hora, depende da época do ano. Mas o Waze me mandou pra uma rua que fica logo acima da rua da praia e encontrei um estacionamento gratuito. Notei também que ao longo dessa rua as vagas eram pintadas de branco, ou seja, gratuitas.

A praia não é muito extensa, acredito que com sol deve ficar bem cheia, já que é uma das mais populares da ilha, mas rolam várias entocas, procure uma pra chamar de sua! Possui alguns quiosques, então o kit sobrevivência (comes e bebes) é dispensável.

Xô nuvens!

A praia mesmo com o tempo fechado, mostrava-se incrível.. O mar, mesmo com o céu cinza, tinha várias tonalidades de azul e isso só fez aumentar meu momento depressão! Essa praia com sol deve ser a coisa mais linda mundo!

Lindo mesmo nublado..

Bem, nem sempre a viagem é feita de vitórias né.. E depois de alguns minutos ali torcendo e ainda com esperanças do sol aparecer o tempo se virou contra nós com vontade.. Começou a ventar forte, frio e depois a chuviscar! Fui expulsa da praia.. Ok, ok! Contra as forças da natureza não adianta lutar..

Com tempo fechado num destino de praia não há muito o que se fazer né.. Fui então dar uma volta e conhecer outros lugares da região.

Argentiera

Essa é uma praia que fica a 40 km de Alghero. O que me chamou a atenção nela não foi nem a praia em si, que nem é bonita pois a areia é bem escura. O interessante aqui é que na beira da praia há uma mina de prata desativada e abandonada!

Muito louco!

O visual das construções antigas, com aquele ar de cidade fantasma, junto à praia rende boas risadas e muita gente vai até lá conferir o visual curioso. Boa parte da mina ainda está caindo aos pedaços mas uma parte já foi reformada e possui até um pequeno restaurante para atender os turistas mais aventureiros que chegam por ali.

Me senti numa cidade fantasma!

Capo Caccia

Um região lindíssima que fica próxima de Alghero. Possui algumas pequenas enseadas e é lá também que fica a famosa Grotta di Nettuno.

Capo Caccia

Mas nesse dia eu estava tão na bad que não queria saber de gruta nenhuma! Só queria saber do sol, não tirava os olhos do horizonte pra ver se aparecia uma frestinha.. Kkkkk, quem nunca gente?!

Mas falando sério, para acessar a gruta é preciso descer uma escadaria sem fim e eu realmente não estava no clima nesse dia por isso nem fui. Mas pra quem estiver afim de gastar as calorias das pastas dos últimos dias é uma ótima pedida. O ingresso custa 13€.

Haja disposição! 

Também dá pra acessar a gruta através de barcos que saem de Alghero ou da Cala Dragunara, uma prainha que fica bem próxima da gruta. Aí é o preço do barco + o ingresso da gruta.

Sem sol, a única coisa que pude fazer foi curtir o visual e imaginar como seria tudo mais lindo com sol.

Cadê você sol?!

Gostei de ter visitado Alghero mas é claro que o tempo nublado e as algas da região afetaram um pouco a expectativa que eu tinha sobre a região.

Eu já sabia que não seria lá que veria o nível top de Sardenha que eu esperava. Mas visitar Alghero foi bom pra dar uma "quebrada" na mesmice. Afinal de contas, até curtir praia paradisíaca todo dia enjoa!

Dicas Gerais

Esteja preparado para encontrar mosquitos, tenha em mãos repelente, remédio de parede e o que mais você costumar usar. Achei que nem existia mosquito na Europa (brincadeira, kkkk!). Mas em Alghero eles existem e são famintos!

Alghero é uma cidade um pouco mais desenvolvida que os pequenos vilarejos da ilha. Por isso, oferece algumas facilidades como uma boa oferta de comércio (lojas, mercados, restaurantes, locadoras etc).

Outros posts da viagem à Sardenha

Montando o roteiro para Sardenha
Cala Gonone 
Passeio de barco em Cala Gonone
San Teodoro (em breve)  
Costa Esmeralda (em breve)
Arquipélago La Maddalena (em breve)
Passeio de barco em Maddalena (em breve)


** Data da viagem: junho/2016

more »