in

Dicas de viagem para Santiago, no Chile

- - Nenhum comentário

Expectativa x Realidade

A foto acima acho que descreve bem a cidade de Santiago. Você acha que vai encontrar aquela metrópole moderna com vista para a linda Cordilheiras dos Andes nevada né? Nem sempre..

Santiago do Chile de fato é uma das capitais sul americanas mais bacanas na minha opinião, mas não deixa de ser uma cidade, um destino urbano. A tal vista que me animou conhecer a cidade depende não só de alguns fatores climáticos, como depende também da poluição, ou melhor da sua baixa incidência. E como vocês podem ver pela foto, a realidade é essa aí!

Destinos urbanos não são a minha praia, literalmente. Sair de casa para respirar outra poluição, não tem cara de férias pra mim. Mas uma viagem ao Chile sem uma passagem pela sua capital, é impossível! Então vamos lá, vou mostrar pra vocês como que uma praieira faz pra sobreviver numa cidade grande!  

A minha viagem


Eu tenho duas passagens por Santiago. A primeira em 2012, quando ganhei uma viagem de quatro dias com tudo pago. A viagem foi feita em grupo (com os outros ganhadores) e no mês de março, finalzinho do verão.

A segunda passagem ocorreu agora em 2018, quando fui à Ilha de Páscoa e aproveitei pra passar dois dias na cidade, em pleno inverno.

As duas passagens, por serem em estações distintas foram bem interessantes.  

Como chegar em Santiago


A capital chilena está a apenas quatro horas de voo a partir de cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo. Mas por ser tão pertinho, há voos saindo de outras capitais também. 

Localizando Santiago
As companhias que operam os trechos são a LATAM, Gol e Emirates. Eu aproveitei pra gastar umas milhas Smiles que estavam pra vencer e resgatei a ida pela Gol e a volta com a Emirates.

Providências

Visto


Para viajar para o Chile, não é  preciso ter visto, nem passaporte. Por fazer parte do Mercosul, brasileiros podem entrar no país portando apenas cédula de identidade, desde que emitida até dez anos.

No avião me entregaram um formulário chamado de "Declaración Jurada" para preenchimento mas ninguém pediu o mesmo na imigração. Importante mesmo é guardar com você, em local seguro, um papel chamado "Tarjeta Unica Migratoria" que o agente da PDI (imigração chilena) entrega na entrada ao país.

Câmbio


Essa é uma das dúvidas que assombra todo brasileiro na hora de ir pro Chile: que moeda levar?

A moeda local é o Peso Chileno. Geralmente vale a pena levar real e trocar lá. No entanto, o ideal é checar antes, com a cotação da época da sua viagem se vale a pena apostar em dólar ou levar o real mesmo. Pra saber basta fazer uma conta bem simples. Vamos lá:

- Pegue a cotação do dólar turismo de hoje e veja quantos reais você gastaria para comprar US$100. No momento em que escrevo, o dólar está batendo R$3,80, ou seja, eu gastaria R$380. 

- Agora entre no site Cambios Santiago e veja por quanto eles estão comprando dólar. Hoje está em CLP 624, ou seja, com US$100 eu conseguiria comprar CLP 62.400.

- Agora pegue os R$380 e veja no site da casa de câmbio quantos pesos você compraria com esse valor. Hoje o real está sendo comprado por CLP 160, ou seja, R$384 equivalem a CLP 61.440. A diferença não chega nem a CLP 1000 o que ao meu ver, não compensa o trabalho de comprar dólar só pra isso. Mas aí, cabe a cada um avaliar.

Evite ao máximo fazer câmbio no aeroporto. Quando fui a cotação lá estava CLP 140. Deixe pra fazer em Santiago, que tem casa de câmbio aos montes! Tem uma rua em especial, a Rua Agustinas no centro da cidade, que tem várias, uma atrás da outra e dizem ter uma cotação um pouco melhor. Mas acho que só vale a pena ir até lá se você já estiver no centro. Ir lá só pra isso é perder tempo precioso de viagem, o que ao meu ver é muito mais valioso.

Eu fiz meu câmbio numa casa chamada Afex, na Providencia (tem várias dela pela cidade). A cotação estava ótima, CLP 163 para cada real. Então, como já tinha pesquisado e sabia que essa era a média, troquei ali mesmo e resolvi logo meu problema.

Melhor época para visitar Santiago


Como já estive na cidade em duas estações completamente diferente, acredito que Santiago é um destino que pode ser visitado o ano todo, pois tem atrações para qualquer clima. No geral, chove muito pouco na cidade.

No verão é mais agradável pra fazer programas ao ar livre e visitar as cidades litorâneas. Porém o clima fica muito seco e alérgicos como eu podem sofrer um pouco. De manhã cedo costuma fazer um friozinho e bate um calorão durante o dia.

Importante: quem sonha em conhecer a neve deve ir à Santiago no inverno! No verão vai ter pico da cordilheira nevado sim, mas as estações de esqui ficam numa altitude menor e não tem neve!

Dito isto, podemos seguir adiante. Já no inverno, pra nós brasileiros que não estamos tão acostumados com frio intenso, rola um perrenguinho ficar andando na rua de bobeira. Mas tem a vantagem de poder conhecer a neve em uma das estações de esqui, que ficam bem próximas da cidade.

Ou seja, Santiago agrada a todo mundo o ano todo!

Onde se hospedar em Santiago


Santiago é uma cidade super democrática que oferece diversas opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos.

Os melhores bairros para hospedagem são:

- Providencia: É o bairro mais tradicional pra se hospedar em Santiago. Aqui andam juntos o lado residencial e comercial de Santiago. É bem movimentado, possui muitos hotéis, bares e restaurantes, lojas de rua, casas de câmbio, fácil acesso ao transporte público e tudo mais que turistas precisam para sobreviver.

- Bellavista: esse é um bairro que fica entre a Providência e a região central da cidade. Vem se destacando como opção de hospedagem devido sua vida noturna agitada, além de sua boa localização.

- Centro: tem muitas opções de hotéis com preços atrativos. É bem movimentado durante o dia mas à noite dá uma morrida e não é muito recomendável sair à pé pela região.

- Las Condes: é um bairro mais ao norte de Santiago, já no caminho das montanhas. É uma das melhores áreas residenciais da cidade, um bairro super bonito. No entanto para o turismo fica meio fora de mão, a não ser que o objetivo seja ir para as montanhas, daí pode ser uma boa opção.

https://www.booking.com/searchresults.en.html?city=-901202&aid=1256661&no_rooms=1&group_adults=1

Para pesquisar opções de hospedagem na cidade, clique aqui. Mas lembre-se sempre de ficar atento às avaliações. 

A minha hospedagem


Em 2012 fiquei no Hotel Diego de Velazquez. É um bom hotel, super bem localizado, no coração da Providência. No entanto, na ocasião em que me hospedei, achei o hotel mediano pois o quarto tinha instalações bem desgastadas, precisando urgente de uma reforma. Mas no mais, como a gente acaba passando pouco tempo dentro do quarto, o hotel atendeu bem as expectativas.

Agora em 2018, como minha passagem pela cidade era rápida optei por ficar na Providencia mais uma vez devido à sua ótima localização. Dessa vez escolhi um apartamento para ter uma experiência mais "local". E acertei em cheio! 

O apartamento que aluguei é o RenovaPro Apartamento. O prédio está localizado numa rua tranquila da Providência a poucos passos da rua principal, a Avenida Providência, entre as estações de metrô Manuel Montt e Pedro Velazquez. Muito próximo também há um pequeno mercado onde pode-se fazer compras para quem optar fazer as refeições no apê e bem na frente tem também uma padaria, ótima pra comprar pão fresquinho para o café da manhã.

Os proprietários, o casal José e Angélica (super simpáticos e solícitos) possuem alguns apartamentos no mesmo prédio, com configurações diferentes. O que eu fiquei era um estúdio, com quarto e cozinha integrados, mas tudo de muito bom gosto e super bem equipado.

O apê estava super limpo e a internet funcionando super bem. Apartamento super aprovado! Recomendo para quem procura uma experiência mais local na cidade.

Para consultar o hotel em que me hospedei clique aqui. Para dar uma espiada no apartamento, clique aqui.

Como se locomover em Santiago

 

A missão de sair ou voltar para o aeroporto conta com as seguintes opções:

- Ônibus Executivos: são a opção mais econômica. As empresas que operam o trecho aeroporto - centro são a Turbus e Centropuerto. O bilhete custa em média CLP 1.700 a ida e 3.000  a ida e volta e podem ser comprados na hora. Funcionam 24 horas e saem do piso térreo em frente ao Portão 5. Tempo de viagem de aproximadamente 45 minutos.

- Transfer: pode ser feito de forma privada ou em vans compartilhadas com até 7 pessoas. Existem várias empresas que prestam o serviço como a Delfos e a TransVip. Você pode entrar no site, simular os valores da corrida e até reservar. No aeroporto, os guichês são bem fáceis de localizar e ficam ao lado dos guichês de táxi, na porta de saída da área do desembarque. Não tem como errar. O legal é que você pode pagar em cartão de crédito e não precisa fazer câmbio no aeroporto (que tem a pior taxa de conversão da cidade).

O detalhe aqui para as vans compartilhadas é que, como ela vai deixando passageiros em vários hotéis diferentes, o trajeto pode levar até 1:30h. Para duas pessoas, pelo valor, já vale à pena considerar um táxi.

Como eu estava sozinha e sem horário, essa foi a opção que utilizei pra sair do aeroporto. Contratei com a Transvip um transfer até a Provicencia por CLP 7.600. Achei de boas, porém fui a quarta pessoa da rota, então demorou um pouquinho pra chegar a minha vez. Tem que ter um pouco de paciência.

Táxi: como em qualquer aeroporto, o de Santiago possui inúmeros táxis à disposição. No entanto há bastante reclamação da prestação desse serviço, como taxímetro adulterado, percursos mais longos do que o normal e até golpe do troco errado. O tempo de viagem até o centro costuma ser de 30 minutos e o valor em média de CLP 14.000.

Já para o dia-a-dia de Santiago, pode apostar na rede de transportes públicos, que atende boa parte da cidade com bastante eficiência.

O metrô de Santiago é coisa bonita de se ver. São sete linhas integrando quase a cidade toda! Quase todos os pontos turísticos da cidade são acessíveis por ele. É uma super mão na roda e eu usei bastante. 

Para andar de metrô é preciso comprar um cartão chamado Bip!, onde são feitas as recargas e a cobrança das passagens. O esquema é super simples, basta se dirigir até a bilheteria do metrô e comprar o cartão + o crédito. Se o crédito acabar, basta comprar mais e assim vai. Outro detalhe é que lá as tarifas mudam de acordo com o horário. Durante o horário do rush é mais caro. 

Aliás, nesse horário Santiago é caótica! O trânsito para e o metrô de Santiago fica lotadão, estilo lata de sardinha!

Além disso há a opção de táxi e Uber. Sobre os táxis, já falei, rola aquela velha malandragem do espertinho querendo dar a volta no turista desavisado. Fique atento. Eu preferi usar o Uber, que apesar de estar na mesma polêmica que aqui no Brasil, usei super de boas, sem problema nenhum. Gosto de usar o Uber em viagens porque você pede já sabendo o valor da corrida, sem ter que se sujeitar às espertezas de taxistas malandros.

O que fazer em Santiago

 

Eu particularmente não gosto de destinos urbanos. Essa é uma característica pessoal minha. Então Santiago não é daqueles destinos que me empolgam. Mas em falando de capitais na América do Sul, das que eu conheci, é a mais interessante.

Tradicional e moderna ao mesmo tempo
Como tem muita informação e vocês sabem, eu gosto de passar tudo detalhado e com muitas fotos, eu escrevi outro post - O que fazer em Santiago (em breve) - onde você pode conferir muito mais informações.

Por hora vou adiantando que o mais interessante na minha opinião, são os passeios nos arredores de Santiago, como as vinícolas, o litoral (Valparaíso e Viña del Mar), a represa El Yeso e as estações de esqui no inverno.

Vinícola Concha Y Toro
Tá, Valparaíso nem é tão legal assim..
Mas estações de esqui são bem legais!
De resto, Santiago pra mim, é igual a qualquer outra cidade grande: chatinha! 😅

Compras em Santiago


Programa preferido de brasileiro quando viaja é compras né? Impressionante!

Santiago não é exatamente um destino de compras, mas como toda capital, tem lá os seus centros comerciais.

Os bairros da Providencia e do Centro possuem muitas lojas de rua. Lojas de departamento como a Ripley, Paris e Falabella são as mais tradicionais.

Paseo Bandera
Pra quem curte um shopping, os principais da cidade são o Costanera Center, localizado na Providencia e onde fica o Sky Costanera, o mirante mais alto da América Latina. Tem também o Parque Arauco, que fica no bairro de Las Condes e possui uma área aberta (acho que foi por isso que gostei dele, não me senti enclausurada). Eu fui nele em minha primeira passagem por Santiago e lembro de ter retirado num guichê um livro de desconto para turistas. Nessa ocasião comprei uma mala Samsonite com um preço incrível. Tenho a mala até hoje e foi uma compra que valeu super a pena.

Um outro shopping que fui e esse eu até gostei foi o Mall Sport, um shopping especializado em esportes, com as melhores lojas do ramo, além de atrações super bacanas, como piscina de ondas, tirolesa, pista de kart e de skate e muro de escalada. Mas não lembro de ter visto nada barato. 😂

Pra quem não vive sem um outlet, Santiago também tem o Arauco Premium Outlet. É afastado da região central e não sei até que ponto vale perder um dia de viagem para ir lá. Mas vai de cada um. A turma que foi comigo na primeira viagem foi e disse que não valeu a pena.

Aliás, no geral, não achei nada com o preço atrativo em Santiago. Na real, achei até as coisas com preço bem elevado, mas também não sou daquelas pessoas que ficam caçando o que comprar. Se você não é consumista como eu, procure comprar coisas tradicionais do Chile, como os vinhos e o Pisco, que são mais baratos nos mercados e podem ser trazidos para o Brasil (aqui o aeroporto libera entrar com garrafas).

Para os chocólatras, não deixe de comprar o chocolate Sahne Nuss das Nestlé. Coisa fina!

Dicas Gerais


Santiago é no geral uma cidade tranquila. Claro que como qualquer cidade grande tem lá seus problemas com violência, mas nem se compara com o Brasil. Caminhe tranquilo e evite manusear dinheiro e objetos de valor na rua, tenha cuidado com bolsas e bolsos em lugares de grande concentração e evite lugares escuros e desertos durante à noite. São precauções básicas para qualquer lugar do mundo.
 
O Chile é um país que sofre com a incidência de terremotos. Isso não quer dizer que durante a sua viagem você vai presenciar um, nem tampouco que não seja um bom destino para viajar. Mas como no Brasil somos completamente despreparados para eventos como esse, acho importante saber pelo menos o que fazer em caso de ocorrência.
 
Acho indispensável comprar um chip de celular, principalmente pra quem for andar de metrô (é preciso traçar as rotas no mapa pra saber qual linha pegar) e pra quem for pedir Uber. As operadoras de lá são a Entel e a Movistar. É muito fácil comprar, toda banca de jornal vende o chip por CLP 1000 e também as recargas. Para consultar os planos pré-pagos, basta consultar o site das operadoras. Eu comprei o da Entel e funcionou super bem!

Pelas ruas de Santiago é possível encontrar várias mini-padarias com pãezinhos e empanadas deliciosas. As principais são a Castaño e San Camilo (gostei mais dessa). Não deixe de dar uma passadinha nelas.

Você consegue resistir? Eu nem tento..
Aqui os motoristas respeitam a faixa de pedestre numa boa.

Apesar de não curtir destinos urbanos, eu gosto de Santiago. A cidade é moderna, bonita, limpa, com um povo muito educado e receptivo e sempre tem um programa interessante pra fazer nos arredores.

Entre Buenos Aires e Santiago, respondo sem pestanejar: Santiago! E não é por causa da velha rixa entre argentinos e brasileiros não. É porque acho a cidade mais legal mesmo!

Mais informações sobre o Chile
O que fazer em Santiago
Um dia no Valle Nevado (em breve)
Ilha de Páscoa (em breve)


Nenhum comentário

Postar um comentário